Rádio Observador

Inovação

O cão robot que parece real

Já imaginou ter um cão robot capaz de o reconhecer e responder a ordens? O AIBO é um “animal de estimação” especial e está a fazer sucesso na European Innovation Academy (EIA), a decorrer no Estoril.

O AIBO, da Sony, é o cão robot mais inteligente do mundo, capaz de lembrar rostos e vozes, horários, os sons típicos da casa e responder a novas palavras, toques, gestos e ordens. “É um símbolo na EIA”, explica Alar Kolk, presidente desta academia de inovação digital da Europa. Para inspirar todos os jovens estudantes empreendedores o encontro conta com a presença do cão que é uma máquina, mas comporta-se como um animal de verdade. Produzido unicamente no Japão baseia-se num sistema de aprendizagem de inteligência artificial. “A EIA está orgulhosa de ter trazido este cão robot à Europa pela primeira vez na história. O que faz do AIBO especial é que ele realmente age como um cão real”, explica Anni Sinijarv, CEO da EIA. “Viemos mostrar a Portugal o que é o futuro da tecnologia”, acrescenta. O cão robot impressionou os mais de 700 participantes desta 2ª edição da academia que tem como tema a robótica e inteligência artificial. No total, o “animal de estimação” tem 22 eixos que proporcionam uma série de posições, possui duas câmaras, quatro microfones, sensores de pressão e de movimento e ainda luminosidade.

O cão robot molda o comportamento ao dono

Apesar de sair da fábrica com uma programação padrão, a fabricante japonesa garante que o cão robot vai mudando o comportamento ao longo do tempo, dependendo do que o dono lhe for capaz de ensinar. Apresenta também algumas outras novidades: como a possibilidade de estar conectado na nuvem para aprender a comportar-se como os outros cães robots. A conexão à Internet permite que seja possível interagir com ele à distância usando apenas um smartphone. O AIBO também pode receber comandos para tirar fotografias e guardá-las na nuvem. No entanto, estas atividades, incluindo enviar imagens e backups para a nuvem, são um serviço que apenas pode ser usado mediante o pagamento de uma assinatura à Sony.

Tecnologia do cão robot desenvolvida por startup de inteligência artificial

A tecnologia do cão robot foi desenvolvida pela Cogitai, uma startup de inteligência artificial, com sede na Califórnia e que foi adquirida pela Sony. A base da construção deste cão do futuro vai muito além do entretenimento e poderá servir para muitas áreas da vida como é o caso do transporte, educação e saúde. “Na EIA estamos focamos na inteligência artificial e as nossas equipas estão a tentar desenvolver ideias relacionadas com este tipo de produtos e serviços capazes de aprender”, afirma o líder do encontro de empreendedorismo universitário. “Queremos surpreender todos os anos trazendo as tecnologias mais inovadoras”, acrescentou Alar Kolk.

500 estudantes de 75 países criam ideias disruptivas

A EIA, que vai realizar-se em Portugal pelo menos até 2022, é a forma mais rápida, em todo o mundo, para se testar uma ideia de negócio. A academia reúne os jovens para no período de três semanas criarem startups disruptivas – desde a ideia ao lançamento. No total, são 500 estudantes de 75 países, dos quais 120 chegam de universidades portuguesas. Destaque para a Universidade do Porto e o Instituto Superior Técnico, que estão representados por mais de 20 alunos que competem diretamente com estudantes de UC Berkeley e U Michigan, entre outras instituições de grande prestígio internacional.

No encontro os universitários, que formam equipas de cinco elementos, contam com o apoio de mentores e o estímulo de terem investidores com os olhos postos nos seus projetos. O objetivo é chegar ao evento final, “Grand Pitching”, a 3 de agosto, para chamar a atenção do grupo de investidores de risco.

Santander Totta atribuiu diretamente 50 bolsas a estudantes portugueses

Para ajudar a participação dos jovens portugueses na academia, o banco atribuiu diretamente 50 bolsas, sendo que as restantes foram participadas pelas Instituições de Ensino Superior parceiras do Santander Universidades. O Banco Santander Totta é uma referência a nível nacional no que diz respeito à promoção do Ensino Superior. É a empresa que mais investe no apoio à educação no mundo (Relatório Varkey/UNESCO – Fortune 500) e mantém mais de 1.100 acordos de colaboração com universidades e instituições académicas de 21 países através do Santander Universidades e, através da rede Universia, que agrupa mais de 1.300 instituições académicas ibero-americanas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Emprego

Uma viagem ao desconhecido com destino ao sucesso

Maria João Bobone
185

Os jovens devem ser levados a sair da sua zona de conforto, expostos a desafios que desconhecem, pois é a aventura pelo desconhecido que lhes proporciona a "bagagem" necessária para se diferenciarem.

Inovação

Um novo “darwinismo” organizacional

Rui Coutinho
189

Na próxima década, a competitividade das empresas assentará em dois grandes vetores: a sua capacidade de aprendizagem e o ritmo a que essa aprendizagem acontecerá.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)