Rádio Observador

Sporting

Oficial: Carlos Vieira desiste de avançar com candidatura à presidência do Sporting

323

Carlos Vieira, ex-vice de Bruno de Carvalho que anunciou a intenção de avançar com uma candidatura à presidência do Sporting, não considera justa a suspensão enquanto sócio mas desistiu da corrida.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Carlos Vieira, antigo vice-presidente do Sporting que liderava uma lista de cisão com Bruno de Carvalho nas próximas eleições do clube, anunciou esta quarta-feira que desistiu da corrida depois da suspensão de dez meses como sócio. De acordo com um comunicado assinado pela lista “Sporting Primeiro”, existe a convicção de que esse castigo não é legal e a promessa da luta pela reversão do mesmo, embora não estejam nesta altura reunidas as condições necessárias para formalizar uma lista nesta fase.

De acordo com a missiva divulgada esta manhã, Carlos Vieira e seus pares, entre os quais se incluíam outros dirigentes suspensos pela Comissão de Fiscalização e “dissidentes” dos órgãos sociais de Bruno de Carvalho, o número de assinaturas para a apresentação formal da candidatura excedeu e muito o limite mínimo necessário dos mil votos, mas a atual suspensão acabou por tornar-se um facto incontornável num lapso temporal tão curto. “Não iremos formalizar a nossa candidatura, nem candidataremos ninguém em nosso nome (…) Consideramos não estarem neste momento reunidas as condições necessárias para formalizarmos a nossa candidatura”, destaca a candidatura liderada pelo antigo vice para a área financeira.

“Continuaremos ativos e vigilantes quanto à defesa dos interesses do Sporting Clube de Portugal pelo que não deixaremos de nos pronunciar nos locais e no tempo que considerarmos oportunos”, concluiu o comunicado.

O comunicado da candidatura “Sporting Primeiro” na íntegra foi o seguinte:

“A candidatura Sporting Primeiro, encabeçada por Carlos Vieira, vem agradecer o apoio massivo e entusiástico manifestado pelos sportinguistas ao longo dos últimos tempos  das mais diversas formas. Este permitiu, entre outros aspetos, ultrapassar largamente os votos estatutariamente exigidos para formalizar a candidatura e para perceber que se tratava de um projeto vencedor.

Face à deliberação injustificada, injusta e inapropriada da nomeada e não eleita Comissão de Fiscalização do Sporting Clube de Portugal que, como afirmámos no nosso comunicado de 3 de agosto último, “parece que houve o intuito de impedir que sócios que muito deram ao clube pudessem cumprir o seu direito legítimo de associados e de se candidatarem ao próximo ato eleitoral de 8 de Setembro”, não iremos formalizar a nossa candidatura, nem candidataremos ninguém em nosso nome.

Apesar da firme convicção de que temos a razão do nosso lado e que será feita justiça, consideramos não estarem neste momento reunidas as condições necessárias para formalizarmos a nossa candidatura. Continuaremos a lutar pelos nossos direitos e contra a suspensão imposta bem como de outros eventuais processos que venham a ocorrer.

Connosco o Sporting Primeiro, pelo que desejamos que o próximo ato eleitoral decorra com elevação e se discutam os projetos e as equipas que melhor podem servir os interesses do Sporting Clube de Portugal que consideramos que seriam os nossos mas por impossibilidade pelos motivos de todos conhecidos, não o poderá ser.

Continuaremos ativos e vigilantes quanto à defesa dos interesses do Sporting Clube de Portugal pelo que não deixaremos de nos pronunciar nos locais e no tempo que considerarmos oportunos.

Sporting Primeiro em todas as modalidades e competições pelo que desejamos a todos os que servem e lutam pelo Sporting Clube de Portugal os maiores sucessos desportivos para a época desportiva 2018/19.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)