439kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Adeptos do FC Porto agredidos na Croácia. "Se isto é o desportivismo, não sei o que será a falta dele"

Este artigo tem mais de 3 anos

Dois adeptos do FC do Porto e um outro jovem foram agredidos por um grupo de portugueses na ilha de Hvar, na Croácia. "Tripeiros de m****" e "filhos da p***" terão sido insultos proferidos.

Rafael Barbosa publicou nas redes sociais uma mensagem a denunciar a situação, juntamente com uma fotografia sua, onde se vê a camisola rasgada e alguns ferimentos na cara.
i

Rafael Barbosa publicou nas redes sociais uma mensagem a denunciar a situação, juntamente com uma fotografia sua, onde se vê a camisola rasgada e alguns ferimentos na cara.

Rafael Barbosa/Facebook

Rafael Barbosa publicou nas redes sociais uma mensagem a denunciar a situação, juntamente com uma fotografia sua, onde se vê a camisola rasgada e alguns ferimentos na cara.

Rafael Barbosa/Facebook

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Rafael Barbosa está de férias na Croácia. Já passou por Dubrovnik, por Split e agora está na ilha de Hvar, juntamente com mais dois amigos. Tudo estava a correr bem em terras croatas até à tarde desta quarta-feira, quando o grupo — dois adeptos do Futebol Clube do Porto e um outro jovem — foi agredido por “5/6 portugueses”.

Foi junto à praia, enquanto caminhavam em direção a um supermercado, que um grupo se aproximou dos jovens e começou a falar português com eles. “Começaram por dizer coisas tranquilas, a perguntar o que estávamos a fazer por ali, cumprimentaram-nos, e eu até pensei que eles me conheciam”, conta Rafael ao Observador. Quando estenderam a mão para cumprimentar um dos amigos do jovem, “um deles, do nada, deu-lhe um soco”, explicou, acrescentando que o grupo começou a bater violentamente nos três rapazes.

“O meu pensamento inicial foi que nos queriam assaltar, porque eles não disseram nada, apenas começaram a bater, ainda por cima no rapaz que tinha a mochila com as coisas todas”, explicou Rafael. Só depois de ouvir o que um dos agressores começou a dizer é que o jovem percebeu o que se passava. “Começou a puxar a minha camisola e à medida que fazia isto dizia ‘Tripeiros de merda, filhos da p***, vão levar na boca’. Foi aí que eu percebi que isto era sobre futebol”, explicou. Mais tarde, uma das gerentes do hostel conseguiu arranjar o vídeo do momento da agressão, captado pelas câmaras de vigilância do local.

Depois de conseguirem fugir dos agressores, foi preciso procurar ajuda, face à constante perseguição: “Começamos a correr e eles vieram através de nós e chegamos a uma zona que tinha alguns bares. Entramos logo num deles e um dos funcionários que estava à porta percebeu o que se passava e meteu-se à frente deles”, relatou, acrescentando que o grupo esteve no bar durante cerca de uma hora. Os três jovens já apresentaram queixa na polícia e entregaram também relatórios do hospital onde foram assistidos e as imagens captadas.

Rafael publicou nas redes sociais uma mensagem a denunciar a situação, juntamente com uma fotografia sua, onde se vê a camisola rasgada e alguns ferimentos na cara. “Acabamos de ser agredidos por um grupo de 5/6 portugueses, que nos chamaram tripeiros de merda e rasgaram as camisolas. Não fosse a intervenção de empregados de um bar aqui perto, o desfecho podia ter sido pior”, disse na publicação. E acrescentou: “Se isto é o desportivismo, não sei o que será a falta dele”.

Ao Observador, o jovem afirmou que “estas situações são ridículas e condenáveis” e referiu que poderiam “acontecer tanto com pessoas do Porto, como do Benfica ou do Sporting ou de qualquer outro clube”, acrescentando que não houve qualquer provocação por parte do grupo e que o jovem que estava descaracterizado era do Sporting.

FC Porto já reagiu e considerou a situação “lamentável”

Depois de ter conhecimento da situação, o FC Porto entrou em contacto com Rafael e o restante grupo através de um email. “O FC Porto considera que é absolutamente lamentável que adeptos de qualquer clube sejam agredidos por exibirem símbolos das equipas que apoiam”, lê-se na mensagem enviada pelos dragões e que Rafael partilhou com o Observador.

O clube disse estar “solidário” e feliz pelo facto de os jovens não “abdicarem, mesmo após o ataque a que foram sujeitos, de demonstrar o amor pelo FC Porto”. E garantiu: “Teremos todo o gosto, por isso, em oferecer-vos novas camisolas para substituírem as que foram vandalizadas”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.