Biologia

Os cientistas conseguiram filmar a morte a invadir uma célula pela primeira vez. Anda a 2 milímetros por hora

1.318

Os cientistas conseguiram filmar a morte a invadir uma célula. E descobriram que ela viaja a uma velocidade de dois milímetros por hora. A morte funciona "como uma onda".

Getty Images/iStockphoto

Os cientistas da Universidade de Stanford filmaram a morte a viajar ao longo de uma célula e a matá-la. Descobriram que ela viaja a uma velocidade de dois milímetros por hora. É a primeira vez que os investigadores conseguem filmar a morte. A experiência serviu para estudar como as células de alguns animais provoca a sua própria morte para não comprometer a saúde do organismo. As peças que compõem a célula auto-destroem-se numa morte programada que serve para evitar a propagação de um vírus ou de um cancro, exemplifica a New Scientist.

James Ferrell e Xianrui Cheng, os dois cientistas que lideraram a investigação, dizem que a morte espalha-se não como um sinal químico (como se tinha teorizado no passado), mas sim “como uma onda” que invade a célula a partir do centro para fora. Segundo eles, uma parte da célula auto-destrói-se e desencadeia a morte da região celular mais próxima dela e assim sucessivamente a uma velocidade de 30 micrómetros por segundo ou dois milímetros por hora. Os dois investigadores comparam esse movimento a um impulso nervoso ou à propagação de um incêndio florestal.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas tiveram de extrair o citoplasma, que é o líquido que existe dentro da célula, de um ovo de sapo. Enquanto a célula esteve viva, havia no interior dela componentes verdes e brilhantes. A seguir, os cientistas juntaram um corante vermelho ao mesmo tempo que introduziam o citoplasma numa célula que já tinha sofrido morte programada.

Assim que isso aconteceu, os componentes verdes e brilhantes desapareceram: foi graças ao ritmo em que os componentes foram desaparecendo que os cientistas conseguiram medir a velocidade da morte e perceber como agia dentro da célula. A seguir, os cientistas repetiram um procedimento dentro de um óvulo e filmaram o resultado: assim que a célula começou a morrer, a membrana que a rodeia começou a mudar de cor.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)