Rádio Observador

Alojamento Local

Mais de metade do Alojamento Local no Porto pertence a empresas

O estudo revela que há 84 titulares de Alojamento Local com mais de oito registos e que o titular que tem mais registos, soma 70. Muitas destas sociedades nem sequer estão relacionadas com o turismo.

A maioria do Alojamento Local no Porto são apartamentos

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de metade do Alojamento Local (AL) no Porto pertence a empresas, sociedades ou pessoas coletivas (51,3%), sendo que o titular da exploração no primeiro lugar do pódio tem “70 registos”, concluiu um estudo.

Um estudo sobre o mapeamento do AL realizado este verão pelo Movimento O Porto não se Vende revela que entre os 6.198 registos de AL que existiam na cidade do Porto até 18 de julho mais de metade (51,3%) estão em nome de empresas ou sociedades e sociedades unipessoais.

Entre os registos, o estudo revela ainda que há 84 titulares de AL com “mais de oito registos” e que o titular coletivo com mais AL na cidade do Porto tem “70 registos” efetivos na página do Registo Nacional de Alojamento Local (RNAL). O segundo titular coletivo com mais AL apresenta-se na RNAL com 61 registos em terceiro lugar do pódio está o titular com “48 registos”, acrescenta o mesmo estudo.

“Estes titulares, em conjunto, são responsáveis por 1.352 registos (21,2% do total na cidade). Neste grupo sobressai ainda um subgrupo de 27 titulares com mais de “16 registos”, e que detém “751 registos”, ou seja 12,4%, lê-se no mesmo documento ao qual a Lusa teve hoje acesso.

Em declarações à Lusa, uma das representantes do Movimento O Porto não se Vende, Ana Barbeiro, descreve, por exemplo, que alguns desses registos coletivos são de áreas bem distintas da turística, aparecendo por exemplo uma sociedade de gestão agrícola.

Na análise que a Lusa realizou este sábado na página da Internet da Registo Nacional de Alojamento Local (RNAL) sobre os “titulares da exploração” de AL no Porto, pode ler-se, por exemplo, que estão incluídas sociedades tão díspares como organizações de informática, ferragens, serviços médicos (Moreira da Costa), sociedade de eventos, Associação do Hospital de Crianças Maria Pia, estabelecimentos de restauração e bebidas ‘take away’, café e similares ou farmácias.

Os restantes registos — 3.019 — que correspondem a 48,7% do total de registos são de pessoas singulares.

Em entrevista telefónica à Lusa, José Pedro Lobo, titular do Alojamento Local no Porto designado por Guimarães Sousa Lobo, Investimentos Imobiliário, empresa dedicada à Reabilitação Urbana, que depois vende, faz arrendamento convencional e também turismo de alojamento local, conta à Lusa que uma parte dos operadores turísticos de AL no Porto são empresas que prestam serviço aos verdadeiros proprietários e que ganham entre “20 a 30%” por cada noite vendida.

“Há empresas que gerem o alojamento local e que ficam com 20 a 30%. As transferências são enviadas para o senhorio e depois há uma percentagem entregue à operadora que faz o acolhimento dos hóspedes à chegada, trata da lavandaria ou faz de cicerone na cidade”, descreve.

Há também a modalidade de o proprietário fazer um “contrato de arrendamento” e ser a operadora turística a gerir o apartamento pagando uma renda fixa ao proprietário, mas ficando com todo o lucro e ou prejuízo da casa que fica em AL.

Nos AL do Porto estão incluídos apartamentos, moradias, estabelecimentos de hospedagem e estabelecimentos tipo ‘hostel’.

A maioria do AL no Porto são apartamentos (86,7%), ou seja, há 5.376 apartamentos da cidade do Porto destinados para turistas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)