Leis

Associação de industriais da construção civil pede eliminação do adicional ao IMI

A Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas voltou a defender a eliminação do Adicional ao IMI, afirmando que o setor imobiliário não pode ser uma fonte inesgotável de receitas.

FRANCIS R. MALASIG/EPA

A Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) voltou esta sexta-feira a defender a eliminação do Adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (AIMI), considerando que o setor imobiliário não pode ser “uma fonte inesgotável de receitas”.

No âmbito da preparação do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), a AICCOPN vai propor ao Governo a eliminação do AIMI, argumentando que a manutenção desta tributação “reconduz a uma verdadeira duplicação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), com a diferença de que, se num caso o imposto reverte para as autarquias, noutro reverte diretamente para a Administração Central, para além de carecer de qualquer racionalidade, conduz a situações de manifesta injustiça”.

Neste sentindo, a associação do setor da construção civil lembrou que têm sido conhecidas decisões de tribunais que “obrigam a Autoridade Tributária à anulação da taxa adicional do IMI cobrada a fundos de investimento, quando estão em causa terrenos para construção de comércio e serviços”. “Estamos a falar de um duplo IMI, que potencialmente incide, no caso das empresas do setor, sobre todo o tipo de casas e de terrenos para construção. Ora, isto significa que as empresas são obrigadas a suportar pesados encargos sobre os ‘stocks’ de imóveis que não conseguem vender”, indicou a AICCOPN, em comunicado.

Na perspetiva dos empresários do setor, o AIMI não representa a “mera tributação dos patrimónios de luxo”, mas antes um “imposto cego, que se reconduz a efetiva penalização do imobiliário”, sobretudo o património habitacional detido pelas empresas, incluindo os terrenos para construção.

“Uma vez que não se aplica qualquer limiar de isenção, como acontece com os particulares, cujo património imobiliário só é tributado a partir dos 600 mil euros, este novo IMI agravou o custo fiscal relativo à detenção ou construção de casas que se destinam à generalidade das famílias”, avançou a AICCOPN, referindo que a situação é mais grave para as pequenas e médias empresas do interior do país, devido à maior dificuldade no escoamento das casas nestas regiões.

De acordo com o presidente da AICCOPN, Reis Campos, a atividade de construção de habitação para venda “é a única que paga impostos por manter em ‘stock’ mercadorias — casas — que não consegue vender”, em que, “ao injusto IMI, somou-se, nestes casos, o AIMI”. “O imobiliário não pode continuar a ser visto como uma fonte inesgotável de receitas”, defendeu a associação do setor da construção civil, reclamando uma visão estratégica e equilibrada para o mercado imobiliário.

Assim, a AICCOPN espera que o Governo e os partidos do arco da governação aproveitem a oportunidade do OE2019 para “atenuar os desequilíbrios induzidos pela carga fiscal excessiva que incide sobre o património”, explicando que em causa está a capacidade de atrair investimento, nacional e estrangeiro, para aumentar e reequilibrar a oferta de casas tanto para aquisição como para colocar no mercado arrendamento.

Criado no Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), o AIMI incide sobre a soma do Valor Patrimonial Tributário (VPT) dos prédios urbanos situados em território português, ficando excluídos os imóveis afetos a atividades económicas (comerciais, industriais ou para serviços). Este imposto adicional aplica-se à globalidade do VPT dos imóveis de cada proprietário quando este for superior a 600 mil euros para solteiros e superior a 1,2 milhões de euros no caso dos casados.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)