PS

CP aceita atrasar horários para deixar passar comboio do PS para a festa da rentrée

23.611

A CP deu garantias escritas de que "aceita os atrasos" noutros comboios para que um comboio fretado pelo PS vá do Pinhal Novo a Caminha para a rentrée socialista. PS e CP desvalorizam. CDS pressiona.

Inácio Rosa/LUSA

A CP, que tem estado no olho do furacão por atrasos e outras falhas no serviço, admitiu numa deliberação da Infraestruturas de Portugal, à qual o Observador teve acesso, que “aceita os atrasos resultantes a outros comboios” para que circulem comboios fretados para a Festa de Verão do PS. Assim, os comboios que vão levar vários militantes socialistas desde o sul do país até à festa da rentrée socialista, em Caminha, são prioritários e, se for necessário, podem atrasar o serviço regular da CP pelas zonas em que passa. Que não são poucas: o percurso é Santa Apolónia-Pinhal Novo-Caminha. Ida e volta.

A carta em que a CP se compromete a deixar atrasar outros comboios para que o do PS passe

A deliberação que dá prioridade aos comboios do PS é de 20 de agosto e será válida a 25 e 26 de agosto (este sábado e domingo), dias em que circulam os comboios de ida até Caminha (e de regresso ao Pinhal Novo e a Santa Apolónia). O documento está assinado pelo diretor do Departamento de Programação e Horários da Infraestruturas de Portugal, Agostinho Pereira, e por Mário Sousa, que assina pela Gestora da Unidade de Horários.

No trajeto Lisboa-Pinhal Novo-Caminha, o comboio vai parar 20 vezes. No total, a viagem vai durar quase sete horas (6 horas e 55 minutos, mais rigorosamente) e vai fazer 526 quilómetros. Estas são as contas feitas à ida, que duplicam quando se soma o regresso.

O comboio especial do PS até já entrou na luta político-partidária entre oposição e Governo. Tudo começou quando o CDS pediu uma reunião urgente da comissão permanente (a única que funciona quando o Parlamento está de férias) para debater os problemas da ferrovia. Ora, o PS e Ferro Rodrigues não consideraram o debate urgente e o CDS, através de Telmo Correia, ripostou com o facto de o PS utilizar um “comboio especial” para a sua festa de verão:

Constatámos que o PS vai ter brevemente a sua ‘Festa de Verão’ e utilizará um ‘comboio especial’. É normal e natural que quem tem comboios especiais, não sei se com ‘catering’ ou sem, provavelmente, com ar condicionado, não esteja preocupado com a situação dos portugueses, que é de comboios que não existem, não funcionam em condições e, muitos deles, foram suprimidos”

CP diz que aceitar atrasos é “procedimento regular”

Questionada pelo Observador sobre este assunto, fonte oficial da empresa começou por dizer que “a CP realiza há décadas comboios especiais para vários clientes”. Segundo a mesma fonte, “sempre que se realiza um comboio especial, a CP, naturalmente, tem que solicitar o respetivo canal horário ao gestor da infraestrutura, uma vez que são comboios especiais e não regulares”.

A CP explica que a Infraestruturas de Portugal, “caso verifique a viabilidade de responder positivamente ao pedido do operador ferroviário, emite um documento designado ‘Carta Impressa’ [a que neste caso o Observador teve acesso] que contém os detalhes técnicos da marcha do comboio em causa”. E acrescenta: “Este é um procedimento regular no dia-a-dia das operações ferroviárias.”

Sobre o facto de dizer que “aceita os atrasos resultantes a outros comboios, pela realização dos comboios da presente Carta Impressa”, a própria CP explica que esta “está presente em vários outros documentos “Carta Impressa”, de comboios especiais já realizados, que não significaram atrasos para outras circulações”. A CP diz ainda que “a circulação é programada e, portanto, não afeta a realização de outros comboios”. Ou seja, a CP garante que não deixarão de circular comboios, mas na resposta ao Observador não se debruça sobre o facto de poder atrasar as circulações regulares.

Para explicar o contrato com o PS, a CP explicou que “realiza comboios especiais para todos os clientes que os solicitam, sejam entidades de naturezas diversas, empresas, associações, grupos de cidadãos, clubes desportivos, partidos, etc. desde que existam condições operacionais para os realizar, nomeadamente a disponibilidade de canal horário por parte do gestor da infraestrutura, e o acordo mútuo relativamente às condições comerciais acordadas”.

Comboio para festa socialista causa mal-estar entre funcionários

Um maquinista da CP contactado pelo Observador conta que a notícia não caiu bem entre os funcionários. “Ultimamente a CP tem estado um autêntico caos”, começou por explicar. “E os partidos sabem disso”. Logo,”ver o PS a fretar um comboio nesta altura por causa de uma festa política é no mínimo irónico”, comenta.

O maquinista lembra ainda que a decisão causou maior estranheza porque “no último ano até houve comboios fretados que tiveram de ser cancelados por falta de material”. A revolta contra os socialistas tem sobretudo a ver com a parte política da decisão de fretar o comboio. “Não há nada de errado nem de ilegal, mas o PS, nesta altura, não pode vir usar a ferrovia como se nada se passasse, ignorando o caos que está instalado na CP”, resume.

PS paga 13 mil euros por comboio que substitui 15 autocarros

O PS garante que não há nada de anormal na iniciativa. “Recorremos à CP como um prestador de serviços como qualquer outro, sujeitámo-nos aos horários e preços existentes”, afirma ao Observador o secretário nacional para a organização do PS, Luís Patrão, acrescentando que é uma iniciativa “absolutamente standard”. “Desde 2015 que o fazemos todos os anos”, nota.

Segundo Luís Patrão, o custo da iniciativa “é cerca de 13 mil euros”, sendo que a opção pelo comboio em detrimento, por exemplo, de autocarros, se deve sobretudo a dois motivos: é mais “ecológico” e “proporciona o convívio dos militantes durante o trajeto”. Trata-se de um comboio que faz a ligação entre Pinhal Novo, distrito de Setúbal, e Caminha, Viana do Castelo, onde se vai realizar este sábado a “Festa de Verão”. “Para levar o número de militantes que um comboio leva era preciso pôr uns 15 autocarros na estrada”, diz.

O responsável pelas contas do PS aproveita ainda para devolver a crítica ao CDS: “Não vamos só preocupar-nos com os comboios quando há problemas que vão para as notícias”, diz, recordando o caso da linha ferroviária da Beira Baixa, que “foi deixada ao abandono durante anos pelo governo PSD/CDS e que agora está em obras”, atira, referindo-se à ligação entre a Guarda e a Covilhã.

Os comboios especiais da CP: do Avante ao Benfica

Os chamados “comboios especiais” são uma modalidade disponibilizada pela CP a qualquer entidade, sendo muito utilizados sobretudo em festivais ou eventos de música. As composições utilizadas são as mesmas usadas para serviços regulares, a diferenças é que não circulam nos horários regulares e, por vezes, fazem percursos que não constam nos percursos habitualmente disponibilizados pela ferroviária.

Entre 2013 e 2014, numa altura em que a CP reforçou o serviço de comboios especiais, disponibilizando o serviço a preços mais acessíveis, uma notícia do jornal Público dava conta de que havia cada vez mais empresas, escolas e municípios a alugar comboios especiais, e que a aposta em comboios daquele tipo tinha rendido à empresa 53 mil passageiros em 2013.

O serviço é usado por diversas empresas e entidades, desde a Sonae para o Mega Pic-Nic ao Benfica que durante vários anos recorria ao serviço para transportar adeptos desde Braga até à estação mais próxima do Estádio da Luz. Outro exemplo, este político: o PCP também recorreu aos serviços da CP para o “Comboio da Festa”, isto é, para facilitar o transporte para a festa do Avante!. Segundo informações do PCP ao Observador, este ano o serviço não foi requerido por “opção assumida pelo PCP e pela direção da Festa”.

Como se lia no site da Festa do Avante do ano passado, o evento era organizado pela juventude comunista, e partia de Braga até à estação de Foros da Amora: “A melhor e mais barata maneira de chegar à Festa do Avante! é pelo Comboio da Festa, que mais uma vez está a ser organizado pela JCP. O comboio é uma forma confortável, barata, rápida de chegar à Festa e além disso… vir no comboio é vir já em Festa para a Festa do Avante!”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Política

Retorno a um passado negro /premium

Paulo Tunhas

Uma boa parte daquilo que é conhecido pelo nome de “esquerda", em nome de uma concepção da justiça colhida no mundo das ideias, propõe políticas que têm por efeito o exacto contrário do proclamado.

PGR

Um agradecimento a Joana Marques Vidal

Pedro Passos Coelho
211

Não houve a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição. Em vez disso, preferiu-se a falácia da defesa de um mandato único e longo para justificar a decisão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)