Um engenho pirotécnico de sinalização marítima levou a GNR a isolar uma parte do acesso à praia de São Pedro, em Ovar. O alerta foi dado por uma banhista, por volta das 18h. A mulher apercebeu-se da presença do objeto e, acreditando tratar-se de um engenho explosivo, comunicou de imediato ao nadador salvador, que chamou a GNR.

“Ainda bem”, diz ao Observador o Major Machado, oficial de relações públicas do comando de Aveiro. “É importante que, perante situações destas, a população comunique de imediato”. Mesmo que depois não seja o que se pensava, como aconteceu.

No local, a GNR isolou a zona onde estava o engenho que, apurou o Observador, estava em más condições de conservação, o que dificultava uma identificação imediata e poderia tornar mais perigoso o manuseamento.

Também por isso, foi chamada uma Equipa de Inativação de Explosivos da GNR do Porto, para avaliar o objecto. Tratava-se de um engenho de sinalização marítima, “utilizado para pedir ajuda, em situações de emergência no mar”, por causa da luminosidade que provoca, explicou o Major Machado.

Engenho encontrado por uma banhista no acesso à praia de S. Pedro, em Ovar

Quando usado, o engenho pirotécnico pode atingir temperaturas muito altas. Além da GNR, no local, esteve também uma viatura dos bombeiros, por precaução e para ajudar no isolamento da área.

O objeto acabou por ser inutilizado. Pouco depois das 21h30, o acesso à praia foi novamente aberto.