O Sporting está de regresso à Liga Europa, depois de, na época passada, ter entrado na competição por via da Liga dos Campeões e ter chegado até aos quartos de final, onde foi eliminado pelo vencedor do troféu, Atlético Madrid. Quis o sorteio que os leões ficassem no grupo E, juntamente com o Arsenal, de Inglaterra, o Qarabag, do Azerbaijão, e o Vorskla Poltava, da Ucrânia. Será a primeira vez que o Sporting medirá forças com qualquer um dos três adversários em partidas a contar para a Liga Europa, sendo que apenas defrontou o Arsenal na Taça das Cidades com Feiras.

É também o regresso de José Peseiro à segunda competição de clubes mais importante da Europa ao comando do Sporting. E a última vez é difícil de esquecer: na temporada 2004/05, os leões chegaram até à final da Taça UEFA e, no Estádio Alvalade, perderam por 3-1 perante o CSKA Moscovo. Desta feita, o derradeiro encontro será em Baku, capital do Azerbaijão, e, 14 anos depois, José Peseiro tudo fará para reescrever a história e levar o Sporting a nova final europeia, desta vez para vencer.

Arsenal

Depois de mais de duas décadas com Arsène Wenger ao comando, o Arsenal começou uma nova era com um outro homem ao leme das operações: Unai Emery. O espanhol que trocou o Paris Saint-Germain pelos gunners mostrou serviço no banco do Sevilha e parece talhado para a conquista da Liga Europa — três títulos consecutivos pela formação espanhola (2013/14, 2014/15, 2015/16), um deles de má memória para o Benfica, finalista vencido em 2013/14.

Por sua vez, o Arsenal nunca esteve perto de ganhar a Liga Europa e as únicas conquistas internacionais que tem no currículo são a Taça das Taças (1993/94) e a Taça das Cidades com Feiras (1969/70). Mas talvez não seja arriscado afirmar que a formação londrina nunca teve tantas condições para levantar o troféu como na presente temporada. E por condições referimo-nos não só a um técnico que já demonstrou saber ganhar, mas também a um plantel recheado de nomes de respeito: Petr Cech, Mustafi, Mkhitaryan, Ozil, Aubameyang, Lacazette ou os reforços Sokratis, Lichtsteiner e Torreira são algumas das principais armas do conjunto londrino.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para encontrar um duelo entre Sporting e Arsenal é preciso recuar até 1969 — no percurso vitorioso da Taça das Cidades com Feiras, os gunners cruzaram-se com os leões e, depois de um empate a zero em Alvalade, levaram a melhor por 3-0 em Highbury Park e seguiram em frente na competição.

Já o histórico verde e branco contra formações britânicas é um tanto ou quanto díspar. Se, em Alvalade, os leões se mostram capazes de aguentar o poderio inglês e, em 12 encontros, levaram a melhor em sete (destaque para as vitórias sobre Middlesbrough e Newcastle em 2004/05 que permitiram ao Sporting seguir até à final da prova), em solo inglês o saldo é manifestamente negativo, com nove derrotas em 13 partidas.

Qarabag

Para os mais desatentos, o Qarabag pode ser um clube desconhecido, mas a verdade é que é o pentacampeão do Azerbaijão e, nos últimos anos, tem sido presença cada vez mais constante nas competições europeias, alternando entre Liga dos Campeões e Liga Europa. Esta será a quarta presença da formação azeri na competição, depois de, na temporada passada, se ter estreado na Champions terminando na última posição do grupo, com dois pontos.

O encontro fora de Alvalade entre as duas formações vai ser também a primeira vez que uma equipa portuguesa disputará um jogo no Azerbaijão, com o Sporting a deslocar-se a Aghdam (cidade que acolhe a Azersun Arena, casa do pentacampeão azeri).

No Qarabag, os leões encontram uma cara conhecida: Simeon Slavchev, búlgaro que nunca se chegou a afirmar no Sporting, trocou os verde e brancos pela equipa azeri e é uma das (senão a) principais figuras do Qarabag. Os espanhóis Dani Quintana e Míchel, o marroquino Abdellah Zoubir e o croata Filip Ozobic são outras das armas do adversário leonino.

Os azeris chegam à fase de grupos da Liga Europa depois de terem sido eliminados pelo Bate Borisov na 3.ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões e de baterem os moldavos do Sheriff por 3-1 no conjunto das duas mãos do playoff de acesso à Liga Europa.

Vorskla Poltava

Os ucranianos do Vorskla Poltava chegam à Liga Europa depois de um terceiro lugar no campeonato ucraniano da temporada passada que lhes valeu o acesso direto à fase de grupos de uma competição onde participam pela terceira vez.

Depois de 2000/01 e 2011/12, os ucranianos regressam à Liga Europa e contam com uma formação experiente para atacar a prova. Volodymyr Chesnakov, Yuri Kolomoets, Igor Perduta, Artur ou Aleksandre Kobakhidze são as principais referências de uma equipa que ambiciona ultrapassar a fase de grupos pela primeira vez na sua história.

Embora Sporting e Vorskla Poltava nunca se tenham cruzado, o histórico dos leões contra equipas ucranianas em fases de grupos é positivo, com quatro vitórias em quatro encontros. Os adversários eram, em teoria, mais fortes do que o atual, com Dínamo Kiev, em 2007/08, a perder por 2-1 e 3-0 na fase de grupos da Liga dos Campeões e Shakhtar Donetsk, na temporada seguinte, derrotado por 1-0 nos dois encontros da fase de grupos.

Por sua vez, o Vorksla Poltava já se cruzou em duas ocasiões com equipas nacionais e, em ambas, acabou eliminado. Em 2000/01, na primeira ronda da Taça UEFA, o Boavista venceu por 2-1 em casa e fora, com Jorge Couto a apontar o último golo nacional sofrido pelos ucranianos no jogo da primeira mão; mais recentemente, em 2009/10, foi a vez do Benfica medir forças com o opositor leonino e vencer em casa por 4-0 sem grandes dificuldades, acabando derrotado na Ucrânia por 2-1.

O calendário do Sporting na Liga Europa

Sporting-Qarabag, 20 de Setembro, 20h

Vorskla Poltava-Sporting, 4 de outubro, 17h55

Sporting-Arsenal, 25 de outubro, 17h55

Arsenal-Sporting, 8 de novembro, 20h

Qarabag-Sporting, 29 de novembro, 17h55h

Sporting-Vorskla Poltava, 13 de dezembro, 20h