Comida

Quem é o “Sr. Periquita”

585

Francisco Soares Franco faz parte da sétima geração da José Maria da Fonseca e é com orgulho que fala do momento em que sentiu que o Periquita era a sua casa.

EDUARDO SOUSA RIBEIRO

“Um dia, o administrador do Banco de Investimento onde trabalhava chegou à sala e disse-me que ia para o Brasil. Aceitei o desafio na hora. Nos dois dias seguintes preparou-se a minha ida e fui. Duas semanas depois de estar no Rio de Janeiro,  convidaram-me para jantar em casa de uns colegas brasileiros. Quando lá cheguei, acompanhado de duas pessoas que conhecia de Lisboa, fiquei espantado quando vi que o vinho que estava na mesa era o Periquita. Não tinha noção da força que a marca tinha. Os meus amigos de Lisboa disseram logo que aquela era a marca que a minha família produzia. É claro que, a partir daquele momento passei a ser chamado de “Senhor Periquita”. Foi muito engraçado perceber que toda a gente sabia o que era o Periquita e que já o tinha provado. É sentir um bocadinho da presença da nossa casa, mas no outro lado do mundo. Como chegar a um restaurante ao Rio de Janeiro e ver as prateleiras cheias do nosso vinho… Isso enche-nos de orgulho.

Desde cedo que, na nossa família, aprendemos a pensar na empresa. O meu avô chamava-nos para as reuniões e pôs-nos, primeiro, a montar as caixas do queijo e depois, aos 15 ou 16 anos, começámos a participar nas vindimas. Fiz isso até entrar na universidade, até porque houve sempre uma preocupação das gerações mais velhas em passar-nos este “bichinho” e deixar-nos explorar todos os cantos da casa. Isso também fez com que, quando entrei na empresa, já conhecesse todos os colaboradores.

Quando comecei a escolher o meu percurso profissional, foi sempre a pensar no que poderia trazer de valor acrescentado para a José Maria da Fonseca. Tirei um curso de Gestão e Administração de Empresas na Universidade Católica e comecei por trabalhar num Banco de investimento, onde fiquei dois anos. Entretanto, mudei-me para outro banco de investimento onde estive a trabalhar no departamento de reestruturação de empresas, em Portugal e Espanha. Fiz um Master em Finance e estive no tal projeto no Brasil. Em abril de 2012, achámos que estava na altura de me juntar à família.

Faz sentido começarmos por “ir para fora”, aprender a trabalhar com um determinado ritmo e agressividade e receber know-how de outras pessoas para, quando aqui chegar, passar esse conhecimento e beneficiar ao máximo este projeto que é de todos nós.

Neste momento, sou administrador e responsável direto pela área operacional. E dou apoio ao que for preciso. Somos poucos, mas unidos, e ajudamo-nos uns aos outros. É claro que, pelo facto do meu pai ser Domingos Soares Franco, o enólogo da casa, e eu ser gestor, faz com que as decisões nem sempre sejam lineares. Mas o amor ao vinho resolve todas as diferenças. Nós temos consciência de que isto não é um ativo, mas um projeto de família para passar para as gerações seguintes.”

*Esta é a terceira de cinco crónicas que contam, na primeira pessoa, histórias inéditas de um vinho Periquita que já existia antes de tudo

Descubra mais em https://observador.pt/seccao/periquita/

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)