Rádio Observador

Ensino Superior

Médias. Engenharia soma e segue, Medicina cai no ranking e há 33 cursos onde se entra com menos de 10 valores

1.192

Há três anos que Engenharia vai destronando Medicina no ranking das boas notas (este ano fica em 7.º lugar). Do outro lado, há 33 cursos onde a nota do último colocado foi abaixo de 10 valores.

Os quatro cursos com notas mais elevadas de acesso são todos de diferentes áreas de estudo da Engenharia

Getty Images

A pauta diz 189,4. É a nota com que entrou o último colocado no curso de Engenharia Civil (lecionado em inglês) na Faculdade de Ciências Exatas e da Engenharia. Neste caso, o último aluno a entrar foi também o primeiro e único, já que das 20 vagas iniciais colocadas a concurso pela Universidade da Madeira só uma foi atribuída. E, como se o caso não fosse já curioso, este é também o curso com a nota mais alta de entrada na 1.ª fase do concurso nacional de acesso ao Ensino Superior.

O que não é fora do normal nesta história é ser um curso de Engenharia a apresentar as notas mais altas de acesso. Este é já o terceiro ano consecutivo em que a tendência se mantém. Depois de vermos, durante anos, os cursos de Medicina a bater recordes de notas altas, a Engenharia tem vindo a ganhar terreno. Muito terreno.

A primeira vez foi há três anos, quando o curso de Engenharia Aeroespacial e de Engenharia Física e Tecnológica, ambos do Técnico, chegaram ao primeiro lugar do pódio, destronando Medicina. Poderia ter sido um desvio do padrão, mas não foi. No ano passado, a história repetiu-se: as engenharias voltaram a subir a média de entrada e o curso de Engenharia e Gestão Industrial, da Universidade do Porto, ocupou o terceiro lugar do pódio, atirando Medicina para quarto lugar.

Este ano? O primeiro curso de Medicina a surgir continua a ser o da Universidade do Porto, como nos dois concursos anteriores, mas já não aparece em quarto lugar. Nem em quinto. Nem em sexto. Medicina desceu para sétimo lugar, com uma média de 188,2 valores.

Os primeiros quatro lugares são todos para cursos de Engenharia. Engenharia Civil (lecionado em inglês) na Universidade da Madeira, Engenharia Física Tecnológica (189,0) e Engenharia Aeroespacial (188,5), ambas lecionadas no Técnico, e ainda Engenharia e Gestão Industrial (186,3), da Universidade do Porto.

A seguir, uma novidade. O curso de Matemática Aplicada e Computação, do Instituto Superior Técnico, com média de 183,5, surge em quinto lugar no ranking dos cursos com médias mais altas. Antes de Medicina, surge ainda o curso de Bioengenharia da Universidade do Porto, com 181,0 valores.

Em nenhum destes cursos, exceto no da universidade madeirense, sobram vagas para a 2.ª fase do concurso de acesso ao Ensino Superior.

[Pode rolar para cima e para baixo dentro do quadro ou fazer uma busca na área de “search”] 

Há 33 cursos com nota de entrada negativa

Se há as melhores notas de entrada, também tem de haver as piores notas de entrada. Embora as notas divulgadas sejam sempre as do último aluno que conseguiu lugar em determinado curso — o que quer dizer que os restantes terão sempre entrado com notas superiores à que é divulgada — não deixam de ser um indicador dos cursos onde se consegue entrar com médias mais baixas.

A lei dita que não pode haver notas negativas no acesso a um curso superior, por isso, nenhum aluno pode entrar com uma nota inferior a 95 pontos, ou seja, uma nota média de nove e meio valores.

Este ano, há 33 cursos superiores onde a nota de entrada do último aluno foi essa, abaixo de dez valores. Dezassete deles estão empatados com esses 95,0 — e são tão díspares uns dos outros,que é impossível encontrar ali uma tendência.

Enologia, Desporto, Gestão de Empresas, Solicitadoria, Agricultura Biológica, Agronomia e Comunicação Social — há um pouco de todas as áreas de estudo entre os cursos com piores médias de entrada. No entanto, são os politécnicos que aparecem em maior número, quando olhamos para o estabelecimento onde os cursos são ministrados, mas não por longa margem. Há dez contra sete universidades.

Entre estas, quatro cursos são da Universidade de Trás-os-Montes, dois da Universidade de Évora e um da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril.

[Pode rolar para cima e para baixo dentro do quadro ou fazer uma busca na área de “search”] 

Na altura de escolher o curso, as notas de entrada são um bom indicador para o aluno levar em conta, até para perceber se a sua média lhe permite ingressar na sua primeira opção. Mas não a única. As taxas de empregabilidade também são importantes e convém olhar para elas antes, para ter uma ideia de como está o mercado de emprego.

Concluída a 1.ª fase do concurso nacional de acesso ao Ensino Superior, ficaram colocados 43.992 alunos, o que corresponde a uma taxa de sucesso na colocação de 89,1%. Entre os alunos que conseguiram lugar nos estabelecimentos do Ensino Superior, mais de metade (54,7%) foram admitidos na sua primeira opção. Este ano, sobraram 7.290 vagas para a 2.ª fase do concurso de acesso ao Ensino Superior.

Os resultados estão disponíveis no site da Direção Geral do Ensino Superior, podendo também ser consultados através da aplicação ES Acesso.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt
caderno de apontamentos

Os milagres da Educação /premium

Fernando Egidio Reis

Ouve-se que os professores são tradicionais, do século XIX. É o mesmo que dizer que temos feito tudo mal. Que outra profissão especializada admitiria este tipo de abordagem e de desconsideração?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)