A Forbes é uma publicação respeitada por todos, que elabora os rankings que apontam os CEO mais bem pagos, os atletas mais ricos, bem como os “mais” e os “menos” em qualquer tipo de área ou de actividade. Está agora a preparar o ranking dos CEO mais inovadores e, ainda que a lista dos 100 primeiros só seja revelada em 2019, a publicação decidiu avançar já com os três primeiros classificados, como que para criar apetite.

As ferramentas para atribuir mais ou menos pontos e, através deles, um melhor lugar na tabela, depende essencialmente de três requisitos, em que um deles é a criação de valor de mercado nos últimos três, na empresa que dirigem. O segundo critério é a valorização das acções nos últimos três anos, com o terceiro elemento de diferenciação a ficar a cargo do factor de inovação.

O líder do ranking dos CEO mais inovadores é Jeff Bezos, o criador da Amazon, com uma brutal valorização de 450 mil milhões de dólares, um ganho em bolsa de 366% e um prémio de inovação de 72,8%.

A segunda posição da lista é pertença de Elon Musk, graças ao incremento em valor de mercado nos derradeiros três anos de 48 mil milhões, valor mínimo face à Amazon, mas de longe o maior entre os construtores de automóveis, a que é forçoso juntar 819% em ganhos na cotação das acções e um prémio de inovação de 79,9%.

O terceiro lugar do pódio foi atribuído a Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, com 376 mil milhões de dólares, 563% e 70%, respectivamente.

Se é impressionante o ganho no valor de mercado em apenas três anos das três empresas, apesar da Amazon e o Facebook terem atingido um valor quase 10 vezes mais elevado do que a Tesla, não é menos impressionante a valorização as acções no mesmo período, aqui a favorecer a Tesla, com vantagem confortável sobre os seus rivais. Mas é o prémio de inovação que reforça o desequilíbrio em favor da Tesla, com Elon Musk a receber 79,9%, 7,1% à frente de Bezos e 9,9% de Zuckerberg.