Ciclismo

Governo quer investir 300 milhões para ter quase mil km de ciclovias até 2030

1.365

Governo pretende investir 300 milhões de euros até 2030 na construção de novas ciclovias. Plano prevê que Portugal tenha 960 quilómetros de ciclovia e 7% de deslocações casa/trabalho em bicicleta.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O Governo pretende investir 300 milhões de euros até 2030 na construção de novas ciclovias, ligando as já existentes, de forma a incentivar o uso de bicicleta em detrimento do automóvel, anunciou esta sexta-feira o ministro do Ambiente.

A intenção da tutela foi apresentada esta tarde no concelho da Amadora pelo ministro João Matos Fernandes e insere-se no Programa Portugal Ciclável 2030, com um horizonte de execução de 12 anos. No total, o Governo pretende investir 300 milhões de euros no financiamento de 110 ciclovias, tendo como ambição que, no final do programa, Portugal passe a dispor de 960 quilómetros de ciclovias.

“A bicicleta é um modo de transporte, não é um brinquedo. Também pode ser um brinquedo, mas nasceu para transportar pessoas e é para isso que ela deve ser utilizada. Devemos aproveitar esta onda de lazer e a consciência de que o espaço público não deve ser só pensado em função do automóvel”, afirmou, no final da sessão, aos jornalistas, o governante.

João Matos Fernandes explicou que a tutela pretende aproveitar o esforço que alguns municípios já fizeram na construção de ciclovias e interligá-las. “Hoje sabemos que em distâncias até 15 quilómetros nós podemos aumentar o uso da bicicleta. Sabendo que só 1% se desloca, em média, de bicicleta de casa para o trabalho ou de casa para a escola esperamos que daqui por 12 anos possamos chegar, pelo menos, aos 7%, que é a média europeia”, apontou.

De acordo com o plano apresentado pelo Governo, que estará em consulta pública até 14 de outubro, caberá aos municípios elaborarem os projetos de natureza municipal ou intermunicipal e sujeitá-los a financiamento, sendo que o limite máximo de apoio é de 75%. O programa Ciclável 2030 vai dividir-se em três subprogramas, dizendo o primeiro respeito a ciclovias de interconexão entre aglomerações relevantes (160 milhões para 34 projetos), o segundo entre aglomerações relevantes contíguas (110 milhões para 55 projetos) e o terceiro para aglomerações relevantes isoladas (30 milhões para 21 projetos).

João Matos Fernandes referiu, ainda, que na escolha dos projetos a tutela vai dar prioridade aqueles que aproveitem antigas linhas ferroviárias, sirvam de interface a estações ferroviárias ou rodoviárias e que passem “à porta de geradores de tráfego relevantes”.

Presente nesta sessão na Amadora esteve o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo (distrito de Aveiro), o município português que tem a maior quota de utilização da bicicleta em viagens pendulares (9,7%).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)