Pais e Filhos

App da Google permite aos pais desligarem os smartphones dos filhos à distância

1.980

A Family Link, lançada em 2017, permite aos pais controlarem o que os filhos vêem em smartphones e tablets. Agora, a app pode desligar dispositivos à distância e saber a localização.

A Family Link é uma app para reforçar as medidas de controlo parental como as já existentes em smartphones, consolas, sistemas operativos e browsers

AFP/Getty Images

Devido à app Family Link, da Google, a expressão do livro 1984, de George Orwell, “Big Brother is Watching You” (“O Grande irmão está a vê-lo”) pode ser uma realidade para muitas crianças. Lançada em 2017 nos Estados Unidos (maio de 2018 em Portugal), a aplicação para dispositivos móveis permite aos pais “criar regras básicas digitais”, como temporizadores e barramentos para apps, e até saber onde o menor está (desde que esteja com o smartphone). Agora, depois da mais recente atualização, as crianças e adolescentes podem ter os dispositivos móveis desligados remotamente se os pais assim quiserem.

A forma como a Family Link funciona é simples. Os pais mais zelosos da atividade digital das crianças podem instalar num sistema iOS (9 ou superior) ou Android (7.0 ou superior) a aplicação “Family Link para pais” e, depois, sincronizar esta com a conta que utiliza nos dispositivo utilizado pelos filhos (pode ser preciso instalar a app “Family Link para crianças e adolescentes” no dispositivo). Com estes passos feitos, é possível ter acesso ao tempo que o menor utiliza no smartphone por aplicação, instalar/barrar apps à distância e definir tempos limites de utilização do dispositivo. Com a última atualização passou a ser possível também, à distância, bloquear remotamente o dispositivo. Para isto tudo, é preciso que os aparelhos estejam ligados à Internet.

Em Portugal, a app é direcionada a crianças até aos 13 anos, segundo a página oficial. Mas devido à nova atualização, é possível utilizar a app em contas Google até 18 anos. Ou seja, um utilizador de 14 anos com um Android ligado à própria conta também é abrangido por esta medida. Contudo, estes utilizadores adolescentes (entre os 13 e os 18) podem decidir apagar a ferramenta espia dos smartphones, mas têm de esperar 24 horas até esta ação ter efeito. Estes jovens a partir dos 13 anos, ao contrário dos menores, têm a opção para aceitar ou recusar este tipo de controlo na conta Google na instalação do dispostivo (o que se passa fora do smartphone, isso já a Google não pode controlar muito).

O lançamento desta aplicação e estas novas ferramentas de controlo parental têm sido uma das soluções apresentadas pelas tecnológicas para os perigos a que os mais jovens estão expostos online e ao “vício” dos smartphones. As questões de privacidade têm preocupado alguns utilizadores, principalmente os mais jovens. Estes, devido a terem mais facilidade com dispositivos eletrónicos, muitas vezes têm encontrado maneiras de contornar estas soluções de controlo parental digital.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Família

Filhos de cabeceira /premium

Laurinda Alves
1.452

Trazer os pais para casa nunca é fácil, sobretudo para eles, mas muito mais importante do que a perturbação que esta decisão provoca no interior das famílias, é o equilíbrio que lhes devolve a eles.

Dia do Pai

Ser pai é fazer de super-homem

Eduardo Sá
19.714

Ser pai é, ao deitar um filho, adormecer quase sempre antes dele. E sentir a sua mão no nosso cabelo. Para saber se estamos ali. E descobrir que, se isso não é o céu, não falta muito para estar perto.

Inovação

Os Pilares da Digitalização

João Epifânio

Pilar fundamental para o desenvolvimento da economia digital é a capacidade de incluir todos os cidadãos e empresas garantindo condições de igualdade de acesso à informação e a redução da infoexclusão

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)