Rádio Observador

Pais e Filhos

App da Google permite aos pais desligarem os smartphones dos filhos à distância

1.980

A Family Link, lançada em 2017, permite aos pais controlarem o que os filhos vêem em smartphones e tablets. Agora, a app pode desligar dispositivos à distância e saber a localização.

A Family Link é uma app para reforçar as medidas de controlo parental como as já existentes em smartphones, consolas, sistemas operativos e browsers

AFP/Getty Images

Devido à app Family Link, da Google, a expressão do livro 1984, de George Orwell, “Big Brother is Watching You” (“O Grande irmão está a vê-lo”) pode ser uma realidade para muitas crianças. Lançada em 2017 nos Estados Unidos (maio de 2018 em Portugal), a aplicação para dispositivos móveis permite aos pais “criar regras básicas digitais”, como temporizadores e barramentos para apps, e até saber onde o menor está (desde que esteja com o smartphone). Agora, depois da mais recente atualização, as crianças e adolescentes podem ter os dispositivos móveis desligados remotamente se os pais assim quiserem.

A forma como a Family Link funciona é simples. Os pais mais zelosos da atividade digital das crianças podem instalar num sistema iOS (9 ou superior) ou Android (7.0 ou superior) a aplicação “Family Link para pais” e, depois, sincronizar esta com a conta que utiliza nos dispositivo utilizado pelos filhos (pode ser preciso instalar a app “Family Link para crianças e adolescentes” no dispositivo). Com estes passos feitos, é possível ter acesso ao tempo que o menor utiliza no smartphone por aplicação, instalar/barrar apps à distância e definir tempos limites de utilização do dispositivo. Com a última atualização passou a ser possível também, à distância, bloquear remotamente o dispositivo. Para isto tudo, é preciso que os aparelhos estejam ligados à Internet.

Em Portugal, a app é direcionada a crianças até aos 13 anos, segundo a página oficial. Mas devido à nova atualização, é possível utilizar a app em contas Google até 18 anos. Ou seja, um utilizador de 14 anos com um Android ligado à própria conta também é abrangido por esta medida. Contudo, estes utilizadores adolescentes (entre os 13 e os 18) podem decidir apagar a ferramenta espia dos smartphones, mas têm de esperar 24 horas até esta ação ter efeito. Estes jovens a partir dos 13 anos, ao contrário dos menores, têm a opção para aceitar ou recusar este tipo de controlo na conta Google na instalação do dispostivo (o que se passa fora do smartphone, isso já a Google não pode controlar muito).

O lançamento desta aplicação e estas novas ferramentas de controlo parental têm sido uma das soluções apresentadas pelas tecnológicas para os perigos a que os mais jovens estão expostos online e ao “vício” dos smartphones. As questões de privacidade têm preocupado alguns utilizadores, principalmente os mais jovens. Estes, devido a terem mais facilidade com dispositivos eletrónicos, muitas vezes têm encontrado maneiras de contornar estas soluções de controlo parental digital.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Pais e Filhos

Vamos lá falar do pai /premium

Eduardo Sá
102

Se a mãe passasse algumas vezes pela forma como nós, pais, somos colocados no “nosso lugar” não sei se ela iria, por muito mais tempo, conseguir ser pai. Eu acho que não. Mas é só uma ideia...

Pais e Filhos

Maternidades muito modernas /premium

Eduardo Sá
665

É verdade que a maternidade nem sempre é um céu. Mas para certas pessoas muito “modernas”, é difícil aceitar a maternidade como aquilo que nos liga a tudo o que há de mais animal e mais humano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)