Moçambique

Fitch mantém Moçambique em default por causa das dúvidas sobre o país

A decisão da Fitch em manter o rating de Moçambique no nível de incumprimento financeiro ('default') reflete as dúvidas em relação ao país

ANDREW GOMBERT/EPA

A decisão da agência de notação financeira Fitch em manter o rating de Moçambique no nível de incumprimento financeiro (default) reflete as dúvidas em relação ao país, disseram este sábado à Lusa dois analistas moçambicanos.

Esta classificação indica de que há pouca confiança ou pouca perspetivas de recuperação”, disse à Lusa o economista moçambicano António Francisco.

Apesar de a agência de rating perspetivar alguma recuperação económica, “continua a identificar fatores de pressão orçamental nas contas públicas”, acrescentou. “Eu acho que a indicação é que não há uma evolução”, disse o economista, ou seja, “o país não consegue limpar a sua imagem” e a situação “reforça a retração do Fundo Monetário Internacional (FMI)” em abrir um programa de apoio financeiro a Moçambique “sem que o país limpe um pouco as suas contas. O país tem de entrar em acordo com credores”.

Fernando Lima, comentador político e presidente do grupo de comunicação social Mediacoop, refere que as dúvidas da Fitch, sobre a possibilidade de haver um rápido acordo com os credores das dívidas ocultas, contrastam com o otimismo do Governo.

A posição contrasta com “um discurso muito positivo das autoridades moçambicanas, nomeadamente do ministro da Economia e Finanças”, Adriano Maleiane, referiu Fernando Lima à Lusa. O governante disse na última semana que “devia ser alcançado um acordo com os credores até ao fim do ano e que Moçambique é um bom pagador, o que é uma meia verdade”.

É verdade que tem honrado as outras dividas, que não as dividas ocultas, mas essas continuam sem serem resolvidas”, acrescentou Lima.

A posição da Fitch significa que “a situação de Moçambique continua difícil e isso também tem a ver com o posicionamento dos doadores, nomeadamente da União Europeia, que mantêm o bloqueio ao apoio direto ao Orçamento de Estado”, nota o comentador.

Fernando Lima sublinha que o bloqueio se mantém, “não obstante o apoio que está a haver a nível bilateral, que creio atingir níveis consideráveis”, concluiu.

A agência de notação financeira Fitch decidiu na sexta-feira manter o rating de Moçambique em incumprimento financeiro (default) devido à incapacidade do governo para chegar a acordo com os credores ou pagar as prestações da dívida pública.

A agência de notação financeira Fitch antecipa um crescimento de 3,5% para Moçambique este ano, abaixo dos 3,7% do ano passado, e um défice orçamental de 5,7% ou 6,9%, incluindo as dívidas atrasadas.

O Comité da Dívida, que junta credores da dívida soberana, propôs no início de agosto ao governo moçambicano o pagamento de 200 milhões de dólares até 2023 e a partir daí entregar o restante em função das receitas fiscais dos projetos de gás natural – com arranque de produção previsto para 2022.

Segundo fonte ligada às negociações, que falou à Lusa, a proposta que o comité dos credores entregou ao ministro das Finanças prevê que o Governo adie o pagamento de 860 milhões de euros, correspondentes a 80% do serviço da dívida, até à maturidade dos títulos, em 2023.

A proposta dos credores mantém a exigência do pagamento total da dívida pública emitida, mas alarga o respetivo prazo, acrescentou.

O Comité da Dívida é composto por um grupo de credores que diz representar mais de 70% do total da dívida soberana de 727,5 milhões de dólares emitida em 2016 no seguimento da reconversão dos títulos obrigacionistas emitidos pela empresa Ematum, com garantia estatal.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)