Alterações Climáticas

Grupo de cientistas planeia muro submarino para impedir o degelo na Antártida

Cientistas preocupados com o aumento dos efeitos secundários do aquecimento global projectam muro submarino que retarda o processo de degelo das plataformas de gelo na Antártida.

Getty Images

As alterações climáticas são um problema na ordem do dia e um dos seus efeitos mais devastadores é o desprendimento de grandes blocos de gelo na Antártida. Este é um problema derivado do aumento irregular da temperatura do planeta que leva a que os icebergs se quebrem e separem da principal massa de gelo, acabando à deriva do mar. Cada vez é mais comum blocos de grandes dimensões se desprenderem e terem este destino, muitas vezes colidindo com a rota de barcos, pondo-os em risco.

Numa ótica ambientalista, e como resposta à inércia das medidas políticas dos governos para remediar este problema ambiental, um grupo de cientistas da universidade de Princeton pensou em edificar um muro que retardasse o processo de degelo dos blocos de gelo, embora o degelo seja um processo que está a suceder a uma velocidade trepidante.

Este estudo científico incidiu particularmente sobre a zona oeste da Antártida, em particular no glaciar que dá pelo nome de Thwaites e em como se podia evitar o seu desprendimento em direção ao oceano. O muro foi pensado em vários modelos e caso fossem edificados, seriam relativamente simples de criar.

Um dos projetos implicaria empilhar um grande monte de terra contra o glaciar, enquanto no outro, seria necessário a criação de um amontoado de cascalho a 300 metros de profundidade de forma a que ficasse por baixo do grande bloco de gelo, impedindo-o de desmoronar em direção ao mar.

Outra possibilidade, que implicaria um maior investimento, seria a criação de um muro contínuo cujo objetivo seria impedir que o glaciar se movesse demasiado e que atenuasse a ação das correntes de água quente no processo de degelo.

Todos os processos supra-referidos implicam grandes investimentos financeiros e os seus criadores admitem que, dependendo de cada caso, poderiam, ou não, surtir os resultados esperados, embora estas soluções fossem apenas um adiamento de um problema que cada dia se torna mais difícil de solucionar, dado o ritmo a que o degelo ocorre atualmente.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

O termóstato humano /premium

José Diogo Quintela
833

Quando sai uma notícia a dizer que Portugal é o 5º país da Europa onde é mais difícil aquecer a casa, na realidade quer dizer que somos o 5º país da Europa que melhor descarboniza. Parabéns a nós.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)