Colômbia

Colômbia concede estatuto de refugiado a ex-presidente do parlamento venezuelano

A Colômbia anunciou esta sexta que decidiu conceder o estatuto de refugiado ao político opositor venezuelano Julio Borges, líder do partido Vontade Popular e ex-presidente do parlamento da Venezuela.

ORLANDO BARRIA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Colômbia anunciou esta sexta-feira que decidiu conceder o estatuto de refugiado ao político opositor venezuelano Julio Borges, líder do partido Vontade Popular e ex-presidente do parlamento da Venezuela.

“O Ministério de Relações Exteriores da Colômbia informa que este 11 de outubro o ministro Carlos Holmes Trujillo assinou uma resolução que reconhece a condição de refugiado na Colômbia do cidadão venezuelano Julio Borges”, explica um comunicado divulgado em Bogotá, capital da Colômbia.

No documento, o Governo colombiano explica que o reconhecimento tem lugar “uma vez que a Comissão para a Determinação da Condição de Refugiado estudou o pedido feito” por aquele político.

Segundo o comunicado, a comissão determinou, “uma vez analisadas as condições particulares e concretas dos factos que sustentam o pedido e tendo em conta o previsto na Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados de 1951 e a normativa interna, se encontram fundados os temores de perseguição aduzidos” por Julio Borges.

Em 24 de setembro último a Colômbia anunciou que não iria extraditar o político da oposição venezuelana Julio Borges, ex-presidente do parlamento, acusado de alegado envolvimento no atentado de 4 de agosto contra o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

“Não vamos extraditar Julio Borges, não vamos extraditar um perseguido político para que uma ditadura abuse dos seus direitos humanos”, anunciou o Presidente da Colômbia, Iván Duque, nas Nações Unidos, em Nova Iorque,

Então, Iván Duque considerou que “seria absurdo” atender o pedido de extradição da Venezuela e entregar “uma pessoa que está a lutar pelas liberdades do seu povo”.

Por outro lado, o chefe de Estado insistiu que a Colômbia continuará a apoiar o povo venezuelano, a pedir a liberdade dos presos políticos e “um verdadeiro e efetivo caminho” para “uma transição democrática que devolva as liberdades” ao vizinho país.

A 4 de agosto, duas explosões – que as autoridades dizem terem sido provocadas por dois drones – obrigaram o Presidente da Venezuela a abandonar rapidamente uma cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

O Governo venezuelano tem insistido que Julio Borges, atualmente radicado na Colômbia, está envolvido no atentado falhado, acusações que o ex-presidente do parlamento venezuelano desmente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)