Foi um abraço longo (e sonoro) aquele que António Costa deu a Adalberto Campos Fernandes na sala dos embaixadores, no Palácio de Belém, onde os novos ministros tomaram posse esta segunda-feira. Foi talvez o mais intenso dos quatro abraços de despedida que deu aos ministros que saem e depois, cá fora, explicou que remodelou porque era “o momento para ter uma dinâmica renovada à execução do programa do Governo”. O ex-ministro da Saúde saiu cansado e sem ter na sala em que se despediu aquele que foi tido como o maior entrave às suas políticas: o ministro das Finanças.

Em dia de fecho e entrega do Orçamento do Estado, Mário Centeno faltou à cerimónia (onde estava o seu secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Mourinho Félix) e à despedida de um dos ministros com quem teve maiores tensões nos Conselho de Ministros. À saída, Adalberto Campos Fernandes confirmou que sai cansado, ou pelo menos com falta de energia: “É um momento em que é preciso, como numa corrida por estafetas, um jogador com mais energia”.

Sobre o seu mandato, diz que “ninguém sai satisfeito” e que “podia ter feito muito mais”. Porque não conseguiu? Não responde, garante apenas que estará “ao lado do Governo para ajudar” e que a Saúde “é um setor difícil que tem de ser salvo”. Confrontado com dificuldades concretas e se é por isso que sai, dispara: “Quem me conhece sabe que não saio de coisas difíceis”. Mas acabou por sair e por vontade de quem? Aqui, Adalberto remete para o comunicado que foi divulgado no site do Governo. Já António Costa, questionado sobre o mesmo, remeteu para o decreto de exoneração dos ministros, publicado pelo Presidente da República onde consta que as saídas aconteceram “a pedido”.

30 fotos

Faz vontade ao setor da energia?

Depois de abraços bem sonoros na sala dos embaixadores, o primeiro-ministro explicou aos jornalistas que entendeu que este “é o momento para ter uma dinâmica renovada à execução do programa do Governo”. E desdramatizou que exista um problema com novos ministros a negociarem, já no próximo mês, e executar o Orçamento do Estado que foi preparado pelos ex-ministros: “As propostas de Orçamento não são dos Ministérios, são do Governo. O Governo é como um todo e, concluída a aprovação, todos estão em condições de  lhe dar execução”.

Costa explicou também as alterações orgânicas, que acabam por estar centradas na mesma pessoa: Pedro Siza Vieira. E isto porque o ministro Adjunto passa a acumular a pasta da Economia e, por causa dele, a Economia perde uma pasta, a da Energia, que passa para o Ambiente. A intenção, garante Costa, foi “para dar centralidade à política económica no centro do Governo”. Está nas mãos do seu Adjunto que, por sua vez é uma pessoa da sua total confiança. A alteração do rating pela Moody’s foi, disse, “um momento de viragem”. E que o Governo quer aproveitar para capitalizar num ano de eleições. Mas esta “centralidade” à economia vem “sem prejuízo da centralidade da política orçamental”, reforça, no entanto, António Costa.

Quanto à questão da energia, o primeiro-ministro não fala da escusa do seu ministro em tratar dos temas nesta área, apenas refere que a mudança para o Ambiente “faz seguramente a vontade a todos aqueles que têm a consciência que as alterações climáticas são uma ameaça real. A política de energia tem de estar orientada por um objetivo fundamental que é assegurarmos a descarbonização da economia e a transição energética”, atirou quando questionado se estava a fazer a vontade às companhia elétricas como a EDP.

[Quem venceu o “abraçómetro” na troca de ministros? Veja o vídeo]

Luís Filipe Castro Mendes foi outro dos ministros de saída, deixando a Cultura para Graça Fonseca. Disse aos jornalistas que sai por vontade própria, que o timing foi escolhido pelo primeiro-ministro e entende que aconteceu “dentro de uma conjuntura que é perfeitamente compreensível”. “Fui muito feliz enquanto ministro da Cultura”, disse antes de deixar o Palácio de Belém atrás de si. Ele e Adalberto Campos Fernandes foram os dois únicos governantes de saída que falaram aos jornalistas. Manuel Caldeira Cabral e Azeredo Lopes saíram sem prestar declarações.

No fundo da sala da tomada de posse estavam os secretários de Estado que caem com estas mudanças que afetaram Economia, Defesa, Saúde e Cultura. Entraram mudos e saíram calados. Quarta-feira haverá nova ronda, para a tomada de posse dos que lhes vão suceder nos cargos. Ou não.