Rádio Observador

Arqueologia

Erupção que destruiu Pompeia pode ter acontecido dois meses mais tarde do que se pensava

Escavações feitas no local arqueológico de Pompeia sugerem que a destruição da cidade pode ter acontecido dois meses mais tarde do que o que se pensava. A resposta pode estar numa frase em carvão.

Getty Images

A erupção vulcânica que destruiu a cidade romana de Pompeia, em 79 a.C. pode ter acontecido dois meses mais tarde do que calculavam os historiadores, anunciaram as autoridades italianas esta terça-feira. Até agora, a comunidade científica admitia que a erupção que tinha soterrado a cidade debaixo de uma chuva de cinzas tinha acontecido a 24 de agosto de 76 a.C.. Agora, uma linha escrita em carvão na parede de uma sala investigada pelos arqueólogos sugere que, afinal, o desastre deve ter acontecido a 17 de outubro de 79 a.C..

A datação do desastre de Pompeia começou a ser feita pelos cientistas e pelos historiadores com base em documentos criados pelo autor e advogado romano Plínio, o Jovem, que, a pedido do historiador Tácito, escreveu sobre a morte de Plínio, o Velho, tio desse mesmo advogado. Nesses documentos, Plínio explicou que o tio, um comandante da frota em Miseno, tinha partido para Pompeia para ajudar a população, mas nunca tinha regressado.

A partir de Miseno, Plínio sobrinho via a destruição a tomar conta de Pompeia: “Contei-vos fielmente o que vi enquanto testemunha ocular de mim, mesmo ou o que recebi imediamente depois de o acidente ter acontecido, e antes houvesse tempo para variar a verdade”, escreve o advogado nos documentos. Esses relatos foram escritos 25 anos depois da catástrofe e neles Plínio escreveu que tudo tinha acontecido “nonum kal. Septembres“. Essa é uma forma de datação latina que atualmente é convertida para “nove dias antes do primeiro de setembro”.

Foi assim que a comunidade científica admitiu que a erupção do vulcão Vesúvio tinha acontecido a 24 de agosto de 79 a.C.. A certa altura, à medida que as escavações no sítio arqueológico de Pompeia foram avançando, alguns cientistas começaram a duvidar dessa datação. Os arqueólogos encontraram vestígios de romã, nozes e uvas prontas para serem usadas para fazer vinho. Esses vestígios sugeriam que o desastre tinha acontecido durante o outono, já que esses frutos só podem ser colhidos nessa época do ano e a roupa que as vítimas usavam eram quentes demais para o verão.

Agora, essas dúvidas podem ter chegado ao fim. O Parque Arqueológico de Pompeia anunciou que os arqueólogos descobriram uma linha escrita em carvão na parede de uma sala que dizia: “XVI K Nov“. Traduzido do latim para o português, essa frase significa “16º dia antes do primeiro de novembro”, ou seja, 17 de outubro. À conta dessa descoberta, os arqueólogos sugerem agora que, afinal, a erupção vulcânica que destruiu Pompeia pode ter acontecido dois meses depois do calculado.

Os cientistas acreditam que essa frase foi escrita numa área de uma casa que estava a ser renovada antes da erupção do Vesúvio. Mas não muito antes porque, como a frase foi escrita em carvão, seria difícil que ela pudesse sobreviver muito tempo a não ser que fosse preservada pelas cinzas do vulcão. Por isso, apesar de os cientistas sublinharem que a frase pode ter sido escrita tanto no dia da catástrofe como pouco antes, este novo graffiti indica uma data mais aproximada do dia da destruição total de Pompeia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)