Celebridades

Maria Leal reage às acusações de burla e diz tratar-se de “uma difamação clara”

153

Francisco D'Eça Leal, ex-marido de Maria Leal, contou a sua história no programa da SIC, "Vidas Suspensas", e acusou a performer de se ter aproveitado dele e de gastar grande parte da sua fortuna.

Maria Leal/Facebook

“Eu deixei tudo nas mãos dela”. Francisco D’Eça Leal tinha 21 anos quando herdou uma fortuna do pai, o artista plástico Paulo Guilherme D’Eça Leal, avaliada em cerca de um milhão de euros, incluindo quatro apartamentos em Campo de Ourique. Hoje, está praticamente sem nada e é o protagonista do mais recente episódio do programa de informação da SIC, Vidas Suspensas, onde acusa Maria Leal, nome artístico de Elisabete Rodrigues, de ter sido a responsável pela situação em que se encontra. A artista já reagiu e disse que foi “difamada de forma gratuita em horário nobre”.

Na investigação levada a cabo pela jornalista Sofia Pinto Coelho, Francisco contou a sua história com Maria Leal, desde o dia em que foram apresentados pela sua antiga babysitter ao momento em que descobre que Maria Leal se terá aproveitado dele para gastar grande parte da herança que recebeu, estando o caso agora entregue à justiça.

“Aproveitou-se de mim e eu fiquei cego por causa do amor. Fazia tudo o que ela queria”, disse Francisco D’Eça na investigação. Em 2013, quando tinha 24 anos e Maria Leal 44 (apesar de Francisco pensar que ela tinha 33), casaram-se pelo registo civil e a performer passou a ter acesso à sua conta bancária, ainda que fosse apenas para ser utilizada “em alguma eventualidade”.

Maria Leal, segundo as declarações de Francisco, terá utilizado o dinheiro na compra de “roupas, joias, relógios, perfumes, cosmética, sapatos, viagens e discotecas”. Em quatro anos, foram gastos quase 100 mil euros só nestas compras e os apartamentos que Francisco herdou (com exceção do apartamento onde vive atualmente) foram todos vendidos por um valor inferior ao preço de mercado e revendidos mais tarde.

Francisco, que aos 18 anos teve o primeiro surto de esquizofrenia e sofreu, posteriormente, um acidente no hospital psiquiátrico onde estava internado, disse que não verificava as suas contas por confiar em Maria Leal, tendo até assinado autorizações sem as ler. Aos poucos, conta, também se foi afastando da mãe e cortou relações com amigos devido ao casamento que mantinha com a artista.

Cortei relações com os meus amigos e com a minha mãe. Ela dizia que se ia embora se eu não fizesse o que ela queria, que iria ficar entregue à minha mãe e que depois a minha mãe me ia tirar tudo”, revela Francisco.

Segundo antigos funcionários ouvidos pela SICMaria Leal nunca falou a ninguém da sua relação com Francisco, tendo até mentido e dito que era seu primo e que “era solteira e não tinha filhos”, chegando a identificar-se como “jornalista da TVI”. A segunda parte da investigação vai ser transmitida na próxima semana.

Maria Leal defende-se e avança para tribunal

Depois da primeira parte da reportagem da SIC, Maria Leal recorreu às redes sociais para responder às acusações de que foi alvo, considerando que se trata de uma “difamação clara” por parte de Francisco, “que continua ávido de protagonismo”, e afirmando que vai intentar “as respetivas ações judiciais”.

“Quanto aos meus fãs, eles conhecem-me, sabem quem eu sou, assim como familiares e amigos e sei que não me irão virar as costas neste momento em que fui difamada de forma gratuita em horário nobre”, acrescentou Maria Leal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)