Super Bowl

Em solidariedade para com Colin Kaepernick, Rihanna recusou atuar no intervalo do Super Bowl

140

Rihanna foi a primeira opção da NFL para atuar no intervalo do Super Bowl 2019. Mas a cantora recusou em solidariedade para com Colin Kaepernick, o jogador que se ajoelhou durante o hino.

Rihanna foi a primeira opção, Pink a segunda: recusaram as duas e a NFL virou-se para os Maroon 5

AFP/Getty Images

No passado mês de setembro, foi anunciado que seriam os Maroon 5 a atuar no famoso intervalo do Super Bowl em fevereiro de 2019. A banda de Adam Levine e companhia sucede assim a Justin Timberlake, que este ano animou a pausa do jogo decisivo entre os Philadelphia Eagles e os New England Patriots. Cardi B, a rapper sensação que até participa numa das músicas mais recentes da banda, pode juntar-se aos Maroon 5 no relvado do Mercedes-Benz Stadium, em Atlanta. Até aqui, tudo normal. O que não se sabia é que a banda norte-americana não foi a primeira opção da National Football League (NFL).

Esta sexta-feira, a US Weekly conta que Rihanna recusou atuar no intervalo do Super Bowl LIII. A cantora dos Barbados foi a primeira escolha da NFL, mas rejeitou o convite “porque apoia Colin Kaepernick”, o jogador de futebol americano que em 2016, ao serviço dos San Francisco 49ers, se ajoelhou durante o hino nacional dos Estados Unidos, em protesto contra a violência policial para com os afro-americanos, e originou uma polémica que chegou à Casa Branca e a Donald Trump. O atleta terminou o contrato com os 49ers no final dessa temporada e não joga desde 2016. Recentemente, voltou a estar no olho do furacão quando foi escolhido pela Nike como cara da nova campanha da marca de desporto associado à frase: “Acredita em alguma coisa, mesmo que signifique sacrificar tudo”.

A imprensa norte-americana acrescenta que os representantes de Rihanna ainda tentaram convencê-la a aceitar o convite — já que a cantora de 30 anos lança um álbum ainda este ano e esta seria uma ótima manobra de marketing —, mas a artista mostrou-se irredutível e decidiu “manter-se leal àquilo que está certo aos olhos dela”, explicou uma fonte. Ora, esgotada a primeira opção, a NFL avançou para a segunda: a cantora Pink. Mas a norte-americana, que no passado mês de fevereiro cantou o hino antes do início do jogo, também acabou por recusar o convite — ainda que por motivos diferentes. Pink mostrou-se desagradada com a demora nas negociações com a NFL e não concordou com os termos apresentados, acabando por deixar cair a proposta.

Os Maroon 5 foram, portanto, a terceira opção da NFL. Mas esta não foi a primeira vez que um artista recusou atuar no intervalo do Super Bowl devido a toda a polémica que começou com Colin Kaepernick. No final de 2017, quando começaram a surgir os primeiros rumores sobre quem atuaria no intervalo do Super Bowl de 2018, era quase dado como certo de que seria Jay-Z o escolhido. Entretanto, foi confirmado que seria Justin Timberlake a atuar e soube-se, mais tarde, que Jay-Z recusou a proposta em protesto com a NFL devido à forma como o organismo que regula o futebol americano nos Estados Unidos tratou Colin Kaepernick: até porque o rapper fez questão de o deixar escrito numa música. “Eu disse não ao Super Bowl, vocês precisam de mim, eu não preciso de vocês. Todas as noites estamos na end zone, digam à NFL que estamos nos estádios também”, podia ouvir-se em “Everything is Love”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)