Tabaco

A “hipocrisia estonteante” da tabaqueira que quer fazer os seus clientes deixar de fumar

A Philip Morris está a ser atacada por causa de uma campanha onde propõe que se deixe de fumar. Organizações de saúde dizem que simplesmente quer promover alternativas, como o tabaco aquecido.

INÁCIO ROSA/LUSA

“Hipocrisia estonteante.” É esta a acusação que tem sido atirada à tabaqueira Philip Morris, tudo por causa de um anúncio que a produtora da Marlboro (entre outras marcas de tabaco) fez circular apelando a que os seus clientes deixassem de fumar. Apesar de a tabaqueira assumir que esta campanha “é um passo importante” rumo ao fim da sua “venda de tabaco”, órgãos consultados pela BBC News como o Cancer Research UK afirma que a empresa está apenas a tentar promover os seus produtos alternativos, como o tabaco aquecido. A acusação que abre este texto foi lançada pela mesma organização, que justifica a crítica realçando o facto da Philip Morris ainda publicitar os seus produtos noutras partes do mundo.

“O melhor que a Philip Morris tem a fazer para ajudar as pessoas a deixar de fumar é deixar de fazer cigarros”, afirma George Butterworth, o responsável pelos assuntos associados ao tabaco da Cancer Research UK. A organização reafirmou que fumar continua a ser a principal causa evitável de cancro e encorajou todos os fumadores a afastarem-se completamente do cigarro, até mesmo dos novos, mais tecnológicos.

A associação britânica Action on Smoking and Health (Ash) também teceu críticas à campanha, afirmando que não passa de uma tática da gigante tabaqueira para conseguir contornar as leis anti-publicidade a tabaco que existem no Reino Unido (e em Portugal também).

A campanha em questão chama-se “Hold My Light” e foi lançada esta segunda-feira, sob a forma de um encarte especial que envolvia a edição do Daily Mirror. Há também um vídeo onde se vê uma rapariga jovem a negociar a entrega do seu isqueiro com um grupo de amigos, que a estão a tentar deixar de fumar.

Deborah Arnott, uma das responsáveis máximas da Ash, afirmou que a Philip Morris continuava a publicitar os seus produtos a uma escala global, em todos os países que permitem publicidade a marcas de cigarros. “A verdade é que como não o pode fazer [publicitar o seu tabaco] no Reino Unido, […] decidiram promover o seu nome enquanto firma, que está intrinsecamente ligado a marcas como a Marlboro”, afirmou a mesma responsável.

A Philip Morris já afirmou várias vezes que pretende alcançar um futuro “livre de fumo”. À semelhança de outras tabaqueiras, tem apostado no desenvolvimento de novos produtos que possam substituir os cigarros convencionais — isto num momento em que o número de fumadores no mundo tem vindo a diminuir.

O diretor geral da marca, Peter Nixon, explicou que esta campanha tem como objetivo “apoiar fumadores na busca por alternativas”. À pergunta “se querem tanto que as pessoas deixem de fumar, porque não param, simplesmente, de produzir tabaco”, Nixon respondeu que não o faziam porque os seus clientes simplesmente passariam a fumar tabaco de outra marca, em vez de desistir de vez.

“O mercado dos cigarros continua a representar 87% do nosso volume de negócios. Queremos alcançar o “fumo-zero” assim que possível, e queremos também conseguir vender alternativas, mas isso demora tempo”, afirmou o mesmo diretor. Nixo revelou ainda que a empresa já investiou mais de quatro mil milhões de libras na pesquisa e desenvolvimento de produtos alternativos aos cigarros.

A polémica campanha sugere quatro formulas para deixar de fumar: desistir completamente, utilizar adesivos de nicotina, vaporizar ou utilizar o tabaco aquecido.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Saúde

A necessidade da informação na Saúde Mental

Miguel Mealha Estrada
442

Existem mitos que podem ser fatais: “quem se quer matar não avisa”. A verdade é que 80% dos jovens avisam que se vão suicidar, sendo que esses avisos não devem ser ignorados, antes levados bem a sério

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)