Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um caçadora americana atraiu as atenções da Escócia ao publicar no Instagram fotografias suas com animais que caçou, em Islay, uma ilha no arquipélago de Hébridas. A Escócia está a considerar desde então mudar a leis da caça desportiva.

“Um lindo bode selvagem na Ilha de Islay na Escócia. Que caça divertida!” é parte da descrição de uma dessas fotografias partilhadas por Larysa Switlyk, uma caçadora americana que apresenta um programa no canal Wild TV, do Canadá, que transmite programas relativos à caça, à pesca e ao tiro.

O que é facto é que Switlyk originou uma onda de indignação à volta das suas imagens, chegando até a receber chamadas para parar com a publicação dos seus “troféus de caça” – como lhes chama numa outra descrição – seguidas de ameaças de morte.

As reações de revolta nas redes sociais intensificaram-se na quarta-feira, culminando em pedidos de alteração da lei da caça. Michael Russell, membro do Parlamento escocês para a região de Argyll e Bute – que inclui a Ilha de Islay – disse no Twitter que iria levar o assunto ao Parlamento com urgência.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Também no Twitter, a primeira-ministra da Escócia, Nicola Stugeon, afirmou que o governo vai analisar a situação e considerar que mudanças na lei será necessário fazer, dizendo que as fotografias com animais mortos para os mostrar como “troféus de caça” são incompreensíveis e ofensivas para as pessoas.

Ainda assim, a caçadora americana não parece dar importância ao assunto controverso que gerou: no Instagram escreveu que estava a caminho da sua próxima “aventura de caça” e que ia estar fora durante duas semanas – espaço de tempo que espera ser “suficiente para todas as pessoas ignorantes” que se revoltam com a atividade que pratica.