Mercados Financeiros

Comissão de Capitais de Angola perspetiva arranque do Mercado de Ações em 2019

O presidente da Comissão de Mercado de Capitais de Angola acredita que o Mercado de Ações será impulsionado pelo Programa de Privatizações em curso no país.

AMPE ROGÉRIO/LUSA

O presidente do conselho de administração da Comissão de Mercado de Capitais (CMC) de Angola perspetivou esta terça-feira o arranque do Mercado de Ações para o próximo ano, argumentando que será impulsionado pelo Programa de Privatizações em Bolsa.

Mário Gavião, que falava esta terça-feira aos jornalistas no âmbito do segundo Fórum do Mercado de Capitais, garantiu que “uma série de condições” continuam a ser criadas para que Angola tenha um Mercado de Dívida pública “fluido e transparente”.

“Principalmente, o mercado secundário, pois tínhamos um mercado primário em que havia participação principalmente dos bancos, que tomavam a dívida emitida pelo Estado, e havia a necessidade de os pequenos aforradores começarem a participar neste Mercado”, disse.

O presidente da CMC recordou que o Programa de Privatizações vai ser aprovado em breve e que vai obedecer a um cronograma específico, o que, defendeu, “será um grande impulso para o Mercado de Ações”. “Se tivermos, como se espera para breve, a aprovação do Programa de Privatizações, há um cronograma que será definido e depois é uma questão de execução”, salientou.

Em relação à atração de investimentos e de investidores para o “nascente” Mercado de Capitais de Angola, “com fraca cultura de poupança e investimentos”, Mário Gavião apontou a necessidade da “estabilização macroeconómica” do país como “fator atrativo” para o setor.

“De facto, um dos principais desafios e de irmos, paulatinamente, resolver essas situações é termos uma situação macroeconómica que seja favorável. O Executivo tem estado a trabalhar nisso e as condições estão a ser criadas”, indicou. “Por força disso, também as empresas terão capacidade de captar investimentos. Diria que a estabilização macroeconómica é fundamental para que os investidores possam ir para o mercado”, acrescentou.

O segundo Fórum do Mercado de Capitais, que decorreu no município do Talatona, sul de Luanda, foi uma promoção da editora Média Rumo, com o apoio da Comissão de Mercado de Capitais (CMC) de Angola.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)