Rádio Observador

Turismo

APAVT desafia Confederação do Turismo a tomar posição de força sobre constrangimentos em Lisboa

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo disse que os constrangimentos à operação turística em Lisboa não foram ultrapassados e desafiou.

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) disse na quinta-feira que os constrangimentos à operação turística em Lisboa não foram ultrapassados e desafiou a Confederação do Turismo de Portugal a tomar uma posição de força.

“Na cidade de Lisboa, os constrangimentos colocados à operação turística não foram ultrapassados e foram mesmo agravados, naquilo que parece ser uma cedência aos mantras anti-turismo”, afirmou Pedro Costa Ferreira no 44.º Congresso Nacional da APAVT, que começou esta quinta-feira em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, Açores.

“Acresce que a aparente dificuldade de diálogo, entre a câmara e a globalidade do setor turístico, neste capítulo representado pela Confederação do Turismo Português, não está a ajudar. Doutor Francisco Calheiros [presidente da CTP], julgo ser o momento da CTP tomar uma posição de força nesta matéria que, naturalmente, apoiaremos sem reservas”, sublinhou o presidente da APAVT perante uma plateia de empresários, agentes de todas as áreas do setor e da secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.

A 23 de novembro de 2017, no congresso nacional da APAVT que se realizou em Macau, Pedro Costa Ferreira já tinha advertido que as medidas implementadas por Lisboa no tema da operação turística podem fazer regressar um “silêncio assustador” às ruas da cidade.

Então, Pedro Costa Ferreira disse ter o dever de “chamar a atenção particular da tutela e da Confederação [do Turismo Português]” para “o tema da operação turística na cidade de Lisboa”.

Referindo-se, sobretudo, às restrições impostas pela Câmara de Lisboa à circulação de autocarros turísticos na zona histórica da capital, mas também a novas medidas em estudo, o responsável considerou-as de “alterações profundas”.

“Comungamos dos objetivos de harmonização do crescimento com a qualidade de vida dos habitantes da cidade e, sim, consideramos que o trabalho na área do turismo tem sido muito meritório”, disse, referindo-se à Câmara Municipal de Lisboa e ao trabalho efetuado no pelouro do Turismo.

No entanto, “nenhum plano de harmonização deve afastar a atividade turística, antes deve exatamente tê-la, permanentemente, em conta”, acrescentou.

“Estamos a trabalhar em cima de realidades que cresceram muito, mas que se mantêm, acreditem, frágeis. Se não tivermos cuidado, voltaremos a ter sossego nas ruas de Lisboa. Mas daquele sossego assustador, que acompanha quem não pode sair à rua, com medo de ser assaltado, das drogas e da prostituição”, referiu, no ano passado, Pedro Costa Ferreira.

Também a 8 de agosto de 2017, a CTP tinha defendido a suspensão das restrições impostas pela Câmara de Lisboa à circulação de autocarros turísticos na zona histórica da capital, para reavaliar o impacto no setor.

Em comunicado, a CTP deixava o aviso: “As restrições que a Câmara Municipal de Lisboa acaba de impor à circulação de autocarros de turismo em determinadas áreas da cidade têm um impacto negativo na atividade turística, nomeadamente junto das empresas que atuam no segmento MICE – Meetings, Incentives, Conferences, Exhibitions”, isto é, dedicadas à organização de eventos para grandes grupos.

No final de julho de 2017, o município da capital informou ter proibido a circulação de autocarros turísticos com mais de nove lugares nos acessos à Sé e ao Castelo de Lisboa, visando evitar problemas para os moradores, ao nível do ruído e do congestionamento do tráfego, entre outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)