Acidentes e Desastres

Encontrada a segunda viatura que caiu na pedreira de Borba. Buscas prosseguem no sábado

169

A segunda viatura que estava submersa na pedreira, em Borba, foi encontrada. Esta sexta-feira foram também retirados os corpos dos 2 cunhados que estavam desaparecidos depois da derrocada da EM 255.

O mau estado da carrinha impediu que o desencarceramento fosse feito ainda dentro de água

RUI MINDERICO/LUSA

A segunda viatura que caiu na pedreira, em Borba, foi encontrada ao final da tarde desta sexta-feira, confirmou o Observador junto de fonte ligada às operações de busca. Nessa viatura estará a última vítima da derrocada de há quase duas semanas. O veículo foi localizado, numa zona submersa. Os trabalhos foram, entretanto, interrompidos e serão retomados no sábado de manhã.

Já ao final desta manhã tinha sido retirada uma viatura que se encontrava submersa na sequência do colapso da Estrada Municipal 255. Lá dentro encontravam-se os corpos de duas vítimas. Foi a equipa de mergulhadores do Grupo de Intervenção, Proteção e Socorro (GIPS) da GNR que localizou uma carrinha depois de, ao início da tarde desta quinta-feira, um sonar da Marinha ter detetado uma estrutura metálica “a uma profundidade de cerca de 7 metros” que poderia ser uma das viaturas submersas.

A estrutura metálica era então uma carrinha de caixa aberta que já foi retirada ao final da tarde de sexta-feira. Em conferência de imprensa, a Proteção Civil indicou que a viatura “estava encaixada entre dois blocos de pedra” e que o mau estado do veículo impediu que o desencarceramento fosse feito ainda dentro de água. “Foi decidido retirar a viatura para uma plataforma seca e, de seguida, faz a operação de resgate das vítimas”, acrescentou a Proteção Civil.

Tudo indica que os dois corpos serão os dos dois cunhados que seguiam nessa carrinha: José Rocha, conhecido como “Zé Algarvio”, de 53 anos, e Carlos Andrade, de 37, ambos residentes em Bencatel, no concelho de Vila Viçosa. Confirma-se, então, que os dois cunhados que estavam dados como desaparecidos foram arrastados pela derrocada. Confirma-se também que este acidente já provocou, com certeza, quatro vítimas mortais, até ao momento.

Ao que tudo indica resta apenas retirar o corpo de uma pessoa: será o de Fortunato, de 85 anos. Até ao momento, três pessoas estavam dadas como desaparecidas desde 19 de novembro — dia em que aconteceu a derrocada da EM 255 — sendo que os corpos de duas foram retirados esta sexta-feira. O homem de 85 anos, que vivia no Alandroal, terá passado naquela estrada àquela hora, pelo que a mulher acredita que seja uma das vítimas mortais.

As operações de resgate na pedreira de Borba decorrem já há 12 dias. Até ao momento, só tinham sido retirados os corpos dos dois operários da pedreira que trabalhavam no local no momento da derrocada. O corpo de João Xavier, de 58 anos, foi retirado no passado sábado. O de Gualdino Pita, de 49, foi encontrado na retroescavadora e retirado logo no dia seguinte à derrocada.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)