Rádio Observador

Ministério do Ambiente

Ministro diz que oposição “fala do que não sabe” sobre redução de bovinos

O ministro do Ambiente e da Transição Energética explicou que o número de efetivos bovinos não tem aumentado. Criticou ainda a oposição por "falar do que não sabe".

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O ministro do Ambiente e da Transição Energética disse esta quinta-feira que a oposição, que pediu a sua presença no parlamento para abordar a redução da produção de bovinos entre 25 a 50% até 2050, “fala do que não sabe”.

“Fala do que não sabe e faz uma caricatura de um trabalho extraordinariamente importante”, afirmou João Pedro Matos Fernandes, questionado sobre o pedido do PSD, à margem de uma sessão sobre economia circular no Algarve, realizada em Faro.

“Tendo de reduzir as emissões, é no gado bovino que mais facilmente o conseguiremos fazer”, explicou o ministro, sobre a matéria.

O PSD e o CDS pediram na quarta-feira para ouvir no parlamento os ministros do Ambiente e da Agricultura sobre o denominado “roteiro para a neutralidade carbónica em 2050”, o qual defende a redução da produção de bovinos entre 25% a 50%.

O PSD citou a afirmação de João Pedro Matos Fernandes ao jornal Público de terça-feira, segundo a qual “o roteiro do Governo para a neutralidade carbónica em 2050 preconiza mudanças profundas, como a redução da produção de bovinos entre 25 a 50% e o aumento da capacidade de sumidouro da floresta em quatro megatoneladas de dióxido de carbono”, acusando o ministro de “enorme desconhecimento do país e mundo rural”.

O ministro do Ambiente da Transição Energética explicou quinta-feira que o número de efetivos bovinos não tem aumentado e que, na próxima década, até 2030, “não há qualquer expetativa sequer de redução desse mesmo quantificativo”.

Entre 2030 e 2050, prosseguiu, os cenários que estão a ser discutidos “preveem uma redução do número de bovinos que não há de ser muito diferente, se projetar a média dos últimos anos até essa mesma data”.

Matos Fernandes salientou que a mobilidade e a energia elétrica são “os dois principais setores em que mais se tem de fazer para atingir a neutralidade carbónica”, mas que “não pode ninguém ficar de fora”, incluindo o setor agrícola.

A agricultura “tem um papel fundamental na neutralidade”, frisou o governante, porque a redução do volume de emissões terá de ser compensada com o sumidouro de carbono, aumentando a área florestal e reduzindo a área ardida “para metade da média dos últimos anos” em Portugal.

“Estamos a trabalhar para 2050, onde vamos ter mais áreas de cereais, mais pomares e mais hortícolas”, disse Matos Fernandes, antecipando “uma revolução no setor” agrícola, seja no litoral ou no interior do país, com emprego “muito mais qualificado do que existe hoje”.

Para o ministro do Ambiente e da Transição Energética, “a neutralidade carbónica não se consegue com apoios”, mas “com o compromisso de todos os setores económicos e de todos os cidadãos em ter uma economia muito mais eletrificada, um padrão de mobilidade completamente diferente daquele que temos e uma produção elétrica completamente provinda de fontes renováveis”.

Em relação à ida ao parlamento, Matos Fernandes garantiu que “um membro do Governo não tem de se manifestar nem disposto nem indisposto a ir ao parlamento, quando é chamado, vai lá”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)