Os chefes de equipa de urgência do hospital D. Estefânia, em Lisboa, apresentaram esta quarta-feira a sua demissão à administração, considerando que houve “quebra do compromisso” feito pela instituição de contratar mais médicos. O anúncio, feito esta quarta-feira, refere que os médicos consideram que a situação “é insustentável”.

A demissão foi apresentada por todos os chefes de equipa e coordenadores daquele serviço, num total de 10.

O bastonário dos Médicos, que tinha marcado para esta quarta-feira uma visita àquele hospital de Lisboa está reunido com a administração, depois de ter criticado, na terça-feira, as “graves carências de recursos humanos” na instituição.

A ministra da Saúde disse quarta-feira que vai acompanhar a situação dos pedidos de demissões de responsáveis clínicos no hospital Dona Estefânia, em Lisboa, mas sem adiantar pormenores.

Na comissão parlamentar de Saúde, a ministra Marta Temido foi questionada sobre o pedido de demissão dos chefes de equipa de urgência do hospital pediátrico Dona Estefânia e indicou não ter muita informação, mas adiantou que acompanhará a situação. “Apenas tenho informações que me vão chegando”, afirmou.

A ministra disse ainda que as demissões de responsáveis hospitalares podem ser vistas de duas formas: “ou como sinais de que algo não vai bem ou como formas de descredibilizar o sistema“. “Prefiro sempre encará-las como sinais de que algo não vai bem e que é preciso melhorar”, disse aos deputados.