O Museum of Modern Art (ou MoMA) de Nova Iorque é um dos maiores influenciadores de arte moderna e, em 2019, vai exibir uma exposição denominada The Value of Good Design, que estreará a 10 de Fevereiro, prolongando-se depois até 27 de Maio. Entre o conjunto de obras que vai estar sob o olhar atento dos visitantes figura um Fiat 500 F.

O simpático Fiat 500 foi inicialmente lançado em 1957, celebrizado como Topolino, e exibia uma carroçaria com linhas deliciosas, que o faziam parecer um brinquedo que todos queriam possuir. Com 2,97 metros de comprimento, não havia ruas suficientemente estreitas para dificultar a vida ao popular modelo da Fiat, com o seu motor inicial de apenas dois cilindros refrigerados a ar e 479 cc.

A versão escolhida pelo MoMA é um Fiat 500 F, fabricado entre 1965 e 1973, já sem as portas suicidas dos primeiros anos e com melhores acabamentos, tendo inclusivamente sido comercializado um 500 Lusso, apesar de, à época e nesta classe de veículos, o “luxo” ser uma coisa muito relativa. Uma coisa é certa, o F foi o mais popular dos Topolino.

O Fiat 500 surgiu dois anos depois do seu “irmão” maior, o 600. Se era consideravelmente mais pequeno, nada menos do que 24,5 cm, tinha enormes vantagens em termos de preço e, sobretudo, de estética. E Dante Giacosa, o engenheiro responsável pelo Topolino, recorda que a base (e a tecnologia) para o 500 foi concebida muitos anos antes, inclusivamente mesmo antes II Guerra Mundial, o que significa antes de 1940.