Rádio Observador

País

PSP suspende folgas para reforçar prevenção no dia de manifestação em Lisboa dos “coletes amarelos”

657

As folgas e os créditos horários dos efectivos da PSP foram suspensos face à marcação dos protestos inspirados no movimento "coletes amarelos" em França, no dia 21. Serão mobilizados 20 mil polícias.

CAROLINE BLUMBERG/EPA

Autores
  • Agência Lusa

A PSP vai estar de prevenção em 21 de Dezembro, dia de manifestações em Portugal do movimento “coletes amarelos”, antecipando “manifestações de grande dimensão em todo o país”, tendo por isso suspendido as folgas marcadas pelos efectivos.

“Vamos ter manifestações de grande dimensão em todo o país e mandam as regras do bom senso ter pessoal operacional”, disse à Lusa o porta-voz da Direcção Nacional da PSP, intendente Alexandre Coimbra, adiantando que a preocupação neste momento se prende com a dimensão do evento e não com qualquer informação de possíveis confrontos.

Alexandre Coimbra, confirmou à Lusa que as folgas e os créditos horários dos efectivos da PSP foram suspensos por uma questão de “bom senso”, face à marcação dos protestos inspirados no movimento “coletes amarelos” em França, em que manifestações contra o elevados custo de vida e para exigir diminuição dos impostos e do preço da gasolina, entre outras reivindicações, resultaram em violentos confrontos entre manifestantes e polícias no centro de Paris.

O porta-voz adiantou que a PSP está a reunir-se com os promotores das concentrações “para assegurar que tudo irá decorrer dentro da normalidade, não estando ainda definido o contingente nem os meios a serem utilizados”. Alexandre Coimbra referiu ainda que as folgas e créditos horários suspensos serão repostos.

Em declarações à TSF, o dirigente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP), Paulo Rodrigues, estimou que serão mobilizados cerca de 20 mil polícias.  “Olhando para o despacho feito pela direção nacional da polícia, leva-me a crer que mais de 90% dos polícias estarão ao serviço. Só estão excecionados casos especiais ou que estejam de férias. Todos os outros cerca de 20 mil polícias vão estar de serviço. O despacho é claro nesse sentido: não há direito a folgas nem a créditos horários”, explicou em declarações à TSF, acrescentando que “há uma grande preocupação” relativamente aos protestos agendados.

Estamos a falar de protestos que podem – eventualmente, esperamos que não – ser semelhantes aos de França. São protestos bastante complicados em termos de gestão e controlo de ordem pública. Nunca existiram em Portugal, pelo menos nesse modelo, e por isso há uma grande preocupação. Apela-se a todos os polícias que estejam ao mais alto nível naquele dia”, disse Paulo Rodrigues.

A ASPP/PSP já tinha alertado para o facto de a reposição das folgas não ser expressamente mencionada no despacho que as suspende. “Tratando-se de um protesto onde a PSP terá de ter uma especial atenção em prol da segurança das pessoas e bens, mas também da garantia de que todos os cidadãos poderem exercer todos os seus direitos de manifestação, compreendemos, obviamente, o teor do despacho. No entanto a ASPP/PSP lamenta que o documento não mencione que a instituição PSP irá garantir os direitos dos Polícias, compensando-os pelo seu trabalho em hora de folga ou descanso”, refere a associação sindical num comunicado divulgado esta sexta-feira-

“Uma vez que profissionais da PSP estão obrigados a cumprir um dia de trabalho no seu dia de descanso semanal obrigatório, a ASPP/PSP entende que deve ser atribuído a todos os Polícias nessa condição, a reconhecida compensação, mediante a atribuição do respectivo Suplemento de Piquete”, adianta a ASPP/PSP.

A ASPP/PSP considera no comunicado que “não estando esta situação acautelada”, os profissionais da polícia “serão duplamente prejudicados, uma vez que ficarão sem folga e sem a devida compensação, ao contrário do previsto no Estatuto Profissional em vigor”, afirma, explicando que já foi dada nota, através de ofício, à Direcção Nacional da PSP. O porta-voz da PSP esclareceu que houve uma reunião de todos os comandos e que ficou determinado que os polícias que virem as suas folgas suspensas “serão compensados posteriormente”.

PSP vai reunir com organização dos protestos

Face às preocupações relativas à segurança do protesto marcado para dia 21, a PSP vai reunir na próxima semana com os organizadores das manifestações do movimento “Vamos Parar Portugal”. À TSF, Alexandre Coimbra diz acreditar que o movimento é diferente daquele que se está a manifestar em França. “Estamos convencidos que as pessoas estão a tomar esta iniciativa a nível nacional têm outra forma de estar e de se manifestar”, sem a violência a que se assistiu nos protestos pelas ruas francesas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Segurança Social

A dívida implícita de Portugal

José Marques

Nos últimos 40 anos, período no qual se deu a maioria da acumulação desta dívida implícita, houve uma acumulação média, silenciosa, de dívida equivalente a mais de 10% do PIB por ano.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)