Presidente da República

Marcelo envia mensagem a todos os presos e elogia iniciativa do Governo

250

O Presidente da República aproveitou a época natalícia para enviar uma mensagem "de solidariedade espiritual e de esperança a todas as pessoas detidas em estabelecimentos prisionais".

A mensagem do chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, ocorre cerca de duas semanas depois de motins em algumas prisões portuguesas

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, enviou esta quinta-feira uma “mensagem de solidariedade” a “todas as pessoas detidas” em Portugal e no estrangeiro, elogiando as visitas que o Governo fez aos reclusos portugueses em prisões francesas.

“O Presidente da República, neste tempo de Natal, envia uma mensagem de solidariedade espiritual e de esperança a todas as pessoas detidas em estabelecimentos prisionais, em Portugal ou no estrangeiro, e respetivas famílias”, é referido numa nota colocada no ‘site’ da Presidência.

A mensagem do chefe de Estado ocorre cerca de duas semanas depois de motins em algumas prisões portuguesas, designadamente no Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL), e numa altura em que decorrem greves dos guardas prisionais.

Na nota, Marcelo “regista com apreço a iniciativa do Governo” de “visitar os portugueses detidos em estabelecimentos prisionais em França, na zona de Paris, bem como o programa de Natal destinado a apoiar os detidos portugueses no estrangeiro”, protagonizada pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

“Reafirmando que ninguém está condenado para sempre, circunstância alguma pode sacrificar os direitos fundamentais destes cidadãos que estão num processo de reabilitação pessoal e social. São cidadãos, mulheres e homens, iguais a todos os portugueses em dignidade e cidadania”, acentua o Presidente da República.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas visitou esta quinta-feira alguns detidos portugueses na zona de Paris, para ilustrar que também estes cidadãos merecem um acompanhamento especial do Estado.

Em declarações à agência Lusa, antes da visita, José Luís Carneiro recordou que, além dos portugueses bem-sucedidos em França, “há também aqueles que se veem privados da sua liberdade por razões diversas e que merecem da parte do Estado um acompanhamento e uma atenção muito especial”.

Sobre a evolução do número de portugueses detidos no estrangeiro, o secretário de Estado explicou que “o número não tem aumentado” e sublinhou que os dados preliminares relativos a 2018 “mostram um decréscimo de portugueses detidos”.

Contudo, José Luís Carneiro alertou que estes dados contemplam apenas os presos que solicitaram apoio.

“Nós apenas temos registo dos que solicitam apoio aos postos consulares, mas há outros que não são do nosso conhecimento e, muitas vezes, os detidos pedem sigilo e nem querem que as famílias tenham conhecimento dessas situações”, concluiu.

O número de portugueses detidos no estrangeiro em 2017 diminuiu para 168, contra 183 no ano anterior, totalizando 1.942 cidadãos nacionais presos em todo o mundo, de acordo com o Relatório da Emigração, hoje divulgado.

Segundo o documento, que cita dados da Direção Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas (DGACCP), do total de detidos em 2017, 14 foram colocados em liberdade, sendo que o maior número de portugueses presos no estrangeiro nesse ano está em França (76), Brasil (20) e Marrocos (15).

Dos portugueses presos em 2017, a maioria (104) está na Europa, enquanto no resto do mundo há 64.

O relatório, elaborado pelo Observatório da Emigração, refere que sobre os motivos de detenção, o tráfico de droga “continua a ser o que apresenta um valor mais expressivo”, com 18 casos, mas ressalva que em 97 casos não foi possível apurar o motivo da detenção.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)