Natal

Da tragédia nasceu há 50 anos o presépio de Alenquer

651

João Mário lembra a história de um homem salvo da subida das águas pelo vizinho de cima, que serrou o chão de madeira para o içar. Estavam desavindos, com litígios em tribunal e não se falavam.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

As cheias de 1967 provocaram quase 50 mortos no concelho de Alenquer, uma tragédia que deu lugar a um “momento espantoso” de solidariedade ao qual no Natal seguinte se quis prestar homenagem com um presépio na encosta da vila. “As vivências foram tão bonitas, que se pensou: ‘que pena esta vivência que transformou o mundo alenquerense não se prolongar por mais tempo'”, recordou à Lusa o então presidente da Câmara de Alenquer, o também pintor João Mário Ayres D’Oliveira.

O presépio monumental, que cumpre 50 anos, surgiu um ano depois das cheias como um “monumento à solidariedade”, e é a sua história que vai agora passar a estar acessível todo o ano num Museu do Presépio que a Câmara de Alenquer, no distrito de Lisboa, projeta para um edifício reabilitado, conforme revelou o presidente, Pedro Folgado (PS).

Em 1967, a água atingiu os três metros de altura, destruiu casas e pontes, varreu de lama e destroços a vila e muitas localidades do concelho, e impulsionou um “momento espantoso” de solidariedade entre os alenquerenses e das pessoas de todo o país em relação às populações afetadas pelas inundações, que fizeram mais de 500 mortos em toda a Grande Lisboa.

João Mário lembra a história de um homem salvo da subida das águas pelo vizinho de cima, que serrou o chão de madeira para o içar. Estavam desavindos, com litígios em tribunal, não se falavam, mas a partir daquele dia tornaram-se amigos. Para a reconstrução, contribuíram imigrantes com centenas de contos e uma pobre com cinco escudos. Alunos de escolas primárias fizeram coletas, presos de Custóias ofereceram-se para trabalhar.

Estes e outros gestos foram registados também na investigação histórica de Alberto Santos, Raquel Caçote Raposo e José Leitão Lourenço, reunida na obra “A noite mais longa — história e memória da cheia de 25-26 de novembro de 1967”, editada pela associação Alenculta.

“Na nossa investigação encontrámos ofertas de todo o tipo, ajudas vindas de todo o lado e de todo o tipo, desde roupa, comida, alojamento”, disse Alberto Santos. Para o presidente da Câmara de então, aquele foi “um momento espantoso, que faz saudade”.

Ainda hoje, isto é um paradoxo, tenho saudades das inundações, porque, além dos momentos difíceis que se viveram, viveram-se momentos extraordinários de entreajuda, de cooperação”, conta João Mário.

Na época tinha 28 anos, era um dos mais jovens autarcas do país, e chegou a representar junto do Governo de Marcello Caetano as autarquias dos concelhos afetados pelas cheias. Como explica Alberto Santos, “a grande cheia de 1967 é um marco histórico, que tem um antes e um depois”, que traria muitos melhoramentos ao concelho.

“Acabou por ser graças às inundações que nesse período se alcatroaram estradas, se eletrificou todo o concelho”, conta João Mário.

Foi quando a vila regressava à normalidade que o vereador José de Siqueira teve a ideia de colocar na encosta que já dava um enquadramento de presépio natural à vila as figuras que viriam a ser concebidas pelo mestre Álvaro Duarte de Almeida, inspiradas na pintura portuguesa dos séculos XVI e XVII.

A mais alta das figuras tem seis metros e a mais pequena um metro e meio, e apesar de terem sido substituídas em 1994 por modelos em liga metálica são idênticas às originais de madeira.

“Não havia autoestrada, esta era a estrada nacional número 1 entre Lisboa e Porto. Aos domingos tinha de pedir auxílio à então polícia de viação de trânsito, porque paravam aqui muitas pessoas. Foi um sucesso, um sucesso que se tem mantido até aos dias de hoje”, recorda João Mário.

Atualmente, para viajar entre Lisboa e o Porto já não se passa obrigatoriamente por Alenquer e a Câmara Municipal assume uma estratégia de “dar a conhecer Alenquer no Natal para que as pessoas regressem”, com uma programação que começa com o fogo-de-artifício de inauguração do presépio e da iluminação, a 1 de dezembro, e prossegue até ao final do ano.

As atividades, com uma rampa e pista de gelo, circo e teatro, são sobretudo dirigidas às crianças.

O autarca Pedro Folgado disse apostar na diferenciação face a programações mais comerciais: “Há uma proximidade muito grande com aquilo que é produzido. Penso que isso pode fazer a diferença”, afirmou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cristianismo

O natal, os três reis magos e outras fantasias

Donizete Rodrigues
144

O mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade

Cristianismo

A douta ignorância dos sábios /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.183

Abundam os improvisados comentários teológicos, cozinhados à pressão na Bimby da opinião pública. Já faltou mais para um Prós e Contras sobre a virgindade de Maria …

Jesus Cristo

Narrativas evangélicas do Natal

Anselmo Borges
159

A Igreja só se justifica enquanto vive, transporta e entrega a todos, por palavras e obras, o Evangelho de Jesus, a sua mensagem de dignificação de todos, mensagem que mudou a História.

Natal

A revolução divina

Luis Teixeira
180

O livre arbítrio é central na mensagem cristã e significa uma ruptura clara na História. Com o cristianismo torna-se um princípio basilar que cada pessoa é inteiramente responsável pelas suas escolhas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)