Rádio Observador

Tsunami

“Agarrei-me à vedação com todas as minhas forças”. Os relatos de quem sobreviveu ao tsunami

207

Por pouco, ou por sorte, não se juntaram aos mais de 200 mortos que não resistiram ao tsunami da Indonésia. "Agarrei-me à vedação com todas as minhas forças", conta um sobrevivente. "Chorei com medo."

"Tive de fugir, à medida que a onda foi para lá da praia, entrando entre 15 a 20 metros em terra", contou um fotógrafo norueguês

RONALD/AFP/Getty Images

Foi por pouco, e talvez por mera sorte, que não se juntaram às mais de 200 pessoas que não sobreviveram ao tsunami deste domingo na Indonésia. É essa certeza que sobra dos relatos daqueles que, à medida que as horas passam e os estragos são averiguados, sobreviveram ao tsunami causado pela erupção do vulcão Krakatoa.

Um dos sobreviventes é Azki Kurniawan, um rapaz de 16 anos que falou à Associated Press. O jovem estudante de uma escola profissional conta que estava com a turma, de 30 alunos, no Patra Comfort Hotel, quando de repente começaram a entrar pessoas na receção, gritando que o nível da água estava a subir. O jovem foi a correr até ao parque de estacionamento do hotel, para pôr a sua mota em segurança, mas nessa altura foi surpreendido. “De repente, uma onda de um metro atingiu-me”, contou à Associated Press.

Caí, a água afastou-me da minha mota. Fui arrastado até à vedação de um edifício que fica a cerca de 30 metros da praia e agarrei-me com todas as minhas forças, para tentar resistir à água, que parecia que me estava a tentar arrastar para o mar. Chorei com medo de morrer. ‘Isto é um tsunami?'”

Também o fotógrafo e funcionário da Embaixada da Noruega em Jakarta, Øystein Lund Andersen, contou como estava na praia a fotografar o vulcão cuja erupção que deu origem ao tsunami quando viu uma “grande onda” a vir do mar. “Tive de fugir, à medida que a onda foi para lá da praia, entrando entre 15 a 20 metros em terra”, escreveu o fotógrafo no Facebook.

“Consegui tirar a minha família e levá-la para um terreno mais elevado, através de caminhos nas florestas e em aldeias, com a ajuda de alunos. Estamos bem, felizmente”, disse. “Parece que vi o meu primeiro tsunami e, espero, último.”

Yesterday evening disaster striked on my family trip to the coast of West-Java (Anyer) -when we got hit by tsunami…

Posted by Øystein Lund Andersen on Saturday, December 22, 2018

Outro relato que está a rodar o mundo é o do vocalista da banda indonésia Seventeen, que tocava num concerto ao vivo quando foi surpreendido por uma onda. A água derrubou-lhe primeiro o palco e depois engoliu a plateia. O vocalista, Riefian Fajarsyah, contou a uma televisão da Indonésia como o impacto das ondas o puxou para dentro de água, juntamente com o manager da banda, que acabaria por morrer, tal como o baixista. “Estavam entre 20 a 24 pessoas mortas à minha volta”, contou o vocalista dos Seventeen, cuja mulher estava no concerto e foi dada como desaparecida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)