Petróleo

Venezuela e Guiana em conflito por causa de petróleo em águas disputadas

Dois navios da ExxonMobil foram intercetados pela Marinha Venezuela em águas venezuelanas, mas garantem ter autorização do Governo da Guiana. Países trocam acusações entre si.

CABALAR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Venezuela e Guiana trocaram este domingo acusações sobre a interceção de navios ao serviço de uma petrolífera pela Marinha venezuelana em águas disputadas.

Segundo uma nota oficial da Marinha da Venezuela, foram intercetadas em “águas de jurisdição venezuelana” dois navios de exploração sísmica cujos capitães afirmaram ter autorização do governo da República de Guiana para ali estar.

Caracas argumenta que a localização dos navios corresponde à área de proteção marítima do delta do rio Orinoco e protestou quer junto das Nações Unidas quer numa mensagem ao governo guianês, a quem apelou para se “restabelecer o diálogo direto e respeitoso”. Por seu lado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros guianês chamou à conduta da marinha venezuelana “um ato ilegal agressivo e hostil” que “mais uma vez demonstra a verdadeira ameaça ao desenvolvimento da economia de Guiana vinda do seu vizinho ocidental”.

A diplomacia guianesa vai também fazer queixa às Nações Unidas, argumentando que a interceção aconteceu em águas sob sua soberania.

Os dois navios foram contratados pela petrolífera ExxonMobil para fazer trabalho sísmico num bloco de exploração de petróleo ao largo da costa guianesa. Um navio da marinha da Venezuela intercetou-os mas não os abordou. A petrolífera afirmou ter suspendido alguns dos trabalhos no bloco que compreende 26.800 quilómetros quadrados de mar.

A Exxon começou a extrair petróleo na costa da Guiana em 2015 e desde então, o pequeno país de 750 mil habitantes vai a caminho de suplantar a Venezuela e o México, tornando-se o segundo maior produtor da América Latina, atrás do Brasil. O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou que a exploração pela petrolífera norte-americana é ilegal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)