Estados Unidos da América

Patrick Shanahan assume Defesa nos EUA, corpo militar divulga polémico vídeo

O novo secretário de Defesa assume o comando das Forças Armadas, no mesmo dia em que um corpo militar se viu obrigado a pedir desculpas por um polémico vídeo de Ano Novo.

ERIK S. LESSER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O novo secretário de Defesa dos Estados Unidos, Patrick Shanahan, assumi, esta terça-feira, o comando das Forças Armadas, no mesmo dia em que um corpo militar se viu obrigado a pedir desculpas por um polémico vídeo de Ano Novo.

“Espero trabalhar com o Presidente Trump para cumprir a sua visão, juntamente com os líderes fortes” das estruturas militares, assinala, em comunicado, o até agora subsecretário de Defesa, que assumirá o cargo de secretário interinamente.

A transmissão de poderes no Pentágono aconteceu à meia-noite local (05:00 em Lisboa), através de uma conversa telefónica entre o general Jim Mattis e Patrick Shanahan, que aplaudiu o seu predecessor.

O novo líder do Pentágono, subsecretário de Defesa desde julho de 2017 e que, durante anos, trabalhou para o fabricante de aviões Boeing, disse que é “uma honra trabalhar com uma equipa tão dedicada e comprometida”.

O general Mattis apresentou a demissão no dia 20 de dezembro, pouco depois de Trump anunciar, de forma inesperada, a retirada das tropas norte-americanas da Síria.

A saída de Mattis foi acompanhada pela demissão do enviado especial dos Estados Unidos para a luta contra o autodenominado Estado Islâmico, Brett McGurk.

Na carta de demissão, Mattis agradeceu a oportunidade de servir o país como secretário da Defesa, mas confirmou desacordos políticos com o Presidente.

Trump aplaudiu a gestão de Mattis no combate ao grupo terrorista Estado Islâmico, mas insistiu na retirada das tropas da Síria.

Inicialmente, Mattis planeava renunciar ao cargo apenas em finais de fevereiro, para dar tempo a Trump para encontrar um substituto para dirigir o Pentágono. Mas, dias depois da renúncia, o Presidente anunciou que Shanahan o substituiria temporariamente a partir de 01 de janeiro.

Entretanto, o Comando Estratégico dos Estados Unidos, que integra as Forças Armadas do país, apresentou desculpas pela publicação de um polémico vídeo de Ano Novo, no qual aviões lançam bombas sobre territórios inimigos.

O vídeo, divulgado na segunda-feira através da rede social Twitter e que, entretanto, foi eliminado, fazia-se acompanhar do seguinte texto: “No Ano Novo, a tradição em Times Square [célebre praça de Nova Iorque] é soltar a grande bola… Se for necessário, estamos prontos para soltar algo muito, muito maior.”

O corpo militar publicou nova mensagem, reconhecendo: “O nosso tweet de Ano Novo foi de mau gosto e não reflete os nossos valores. Pedimos desculpa. Estamos dedicados à segurança dos Estados Unidos e seus aliados.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)