Rádio Observador

Transportes

António Costa afirma que está a ser feito “grande investimento na mobilidade urbana”

O primeiro-ministro falou durante o lançamento do concurso para a construção das novas estações Estrela e Santos, num investimento de 210 milhões de euros. Medina diz que é "passo importantíssimo".

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta quarta-feira estar a testemunhar “um grande investimento na mobilidade urbana” com o lançamento do concurso para o prolongamento das linhas Verde e Amarela do metropolitano de Lisboa, considerando-a importante para a coesão territorial.

António Costa falava aos jornalistas no auditório da estação do metro do Alto dos Moinhos, onde decorreu o lançamento do concurso para a construção das novas estações Estrela e Santos e o consequente prolongamento das linhas Amarela e Verde, num investimento de 210 milhões de euros até 2023. “É com grande satisfação que esta semana testemunho que a mobilidade é prioridade em todas as suas dimensões”, começou por dizer António Costa, lembrando o lançamento do concurso para a compra de 22 novos comboios para a CP, e ainda o acordo entre o Estado e a ANA para o novo aeroporto no Montijo.

E hoje aqui estou a testemunhar o grande investimento na mobilidade urbana”, acrescentou, depois de o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes (que tutela os transportes urbanos), ter também afirmado que a mobilidade é “uma prioridade”, importante “para o desenvolvimento da coesão territorial”.

De acordo com o primeiro-ministro, a mobilidade é “importante para o rendimento disponível das famílias e esse é um dos desafios a que o país irá ter pela frente”. António Costa lembrou ainda a necessidade de as empresas serem “competitivas para a fixação da população”, “suportando mais e melhores salários”, e frisou que as administrações central e local estão a ajudar a melhorar os rendimentos nas famílias.

O primeiro-ministro, acompanhado pelo ministro do Ambiente e da Transição Energética e pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, deslocou-se no Metropolitano de Lisboa entre a Baixa-Chiado e o Alto dos Moinhos, no âmbito do lançamento das novas estações.

A expansão do metro de Lisboa é “um passo importantíssimo”, afirma Medina

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, afirmou que esta quarta-feira que foi tomada uma decisão única, já que “há 15 anos que não havia uma decisão” sobre a expansão do Metropolitano da capital.

Hoje [quarta-feira] toma-se uma decisão única em 15 anos. Há 15 anos que não havia uma decisão de expansão do metro na cidade de Lisboa. Remonta há mais de uma década a última decisão de expansão do metropolitano, mas fora do município de Lisboa”, começou por dizer o autarca.

Segundo Fernando Medina, este é “um passo importantíssimo” para a cidade de Lisboa, referindo que não se trata de uma “decisão qualquer em termos de expansão”, seja de uma linha, uma localidade ou de uma determinada zona, mas que a opção “por uma linha circular vem estabilizar o mais poderoso instrumento de mobilidade pesada do município”.

A decisão tomada de duas estações corresponde a muito mais do que o prolongamento de uma linha. É uma opção estratégica que vai alterar a forma como o transporte público se estrutura dentro da cidade e vai alterar a forma como poderemos aumentar a eficácia de futuras decisões, quer de expansão do metro, quer de transporte rodoviário”, afirmou.

Para o autarca, a opção é “uma resposta clara às criticas ao projeto”, reiterando que se tem vindo a discutir há vários anos uma expansão, sendo que a última a que se assistiu na cidade de Lisboa foi a chegada do metropolitano ao Aeroporto.

Fernando Medina reconheceu também que a defesa nesta solução “não compromete outras”, lembrando que a autarquia defende a expansão da linha Vermelha até Alcântara, encarregando-se o município da zona ocidental de Lisboa, mas também do prolongamento futuro da linha Amarela de Telheiras até ao Colégio Militar.

“Fomos claros em apoiar esta como decisão primeira, porque a partir daqui vamos estruturar um modelo de funcionamento do transporte pesado na cidade de Lisboa que vai mudar, sendo uma mudança qualitativa na forma como o transporte publico existe”, garantiu o autarca.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)