Trabalho

Reformados do Estado vão poder continuar a trabalhar aos 70 anos

Se o trabalhador quer manter-se no exercício das funções públicas após os 70 anos, tem de manifestar essa vontade "expressamente e por escrito", determina a lei.

Os reformados ou aposentados podem apresentar o requerimento até 30 de junho deste ano

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os funcionários públicos com mais de 70 anos vão poder manter-se no ativo e optar por receber o valor da pensão que ultrapassa o salário, a partir de 01 de fevereiro, segundo um decreto-lei hoje publicada.

No diploma, que altera o Estatuto de Aposentação e a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, o Governo justifica a necessidade de fazer uma “alteração cirúrgica” à legislação em vigor para permitir a cumulação entre a remuneração auferida pelo exercício de funções públicas e o valor remanescente da pensão, quando esta seja mais elevada.

Trata-se de consagrar uma solução idêntica à que foi prevista no artigo 30.º da Lei do Orçamento do Estado para 2018, quanto aos agentes de cooperação, eliminando assim um desincentivo atualmente decorrente da lei quanto ao exercício de funções públicas por reformados ou aposentados”, justifica.

Os trabalhadores em funções públicas que, a 01 de fevereiro próximo, se encontrem a menos de seis meses de completar 70 anos de idade, já vão poder apresentar o requerimento para se manter no ativo.

Os reformados ou aposentados que, na data da entrada em vigor do diploma, já tenham completado 70 anos de idade, podem apresentar o requerimento até 30 de junho deste ano.

O decreto-lei, hoje publicado, e que entra em vigor no primeiro dia de fevereiro, abre agora exceções para a cumulação de pensão e remuneração, no período que durar o exercício das funções públicas autorizada.

Os aposentados, reformados, reservistas fora de efetividade e equiparados que auferem a remuneração definida para as funções ou cargo que desempenham ou para o trabalho prestado, passam a manter o direito à respetiva pensão, “quando esta seja superior, e no montante correspondente à diferença entre aquela e esta”, lê-se no diploma.

Mas o início e o termo do exercício de funções públicas são obrigatoriamente comunicados à Caixa Geral de Aposentações, para que possa suspender a pensão ou efetuar o pagamento do montante correspondente à diferença entre a remuneração e a pensão.

A Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas é também alterada, no diploma hoje publicado, acrescentando um novo artigo intitulado “Exercício de funções públicas por trabalhador reformado ou aposentado por idade de 70 anos”, prolongando o vínculo mas apenas em casos “de interesse público excecional, devidamente fundamentado”.

Querendo o trabalhador manter-se no exercício das funções públicas após os 70 anos, tem de manifestar essa vontade “expressamente e por escrito”, através de requerimento dirigido ao respetivo empregador público, “pelo menos seis meses antes de completar aquela idade”, determina a lei.

Caso seja autorizado o pedido, o reformado ou aposentado passará a ter ou um contrato de trabalho em funções públicas a termo resolutivo ou nomeação transitória, ou uma comissão de serviço.

Estes vínculos de emprego público vigoram pelo prazo de seis meses, renovando-se por períodos iguais e sucessivos, até ao limite máximo de cinco anos, sem prejuízo, no caso da comissão de serviço, do prazo máximo definido para a respetiva comissão e renovação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)