Bolsa de Nova Iorque

Wall Street segue em baixa com previsões de crescimento global mais fraco

A bolsa de Nova Iorque negociava esta terça-feira em terreno negativo numa altura em que se agrava a tensão entre China, EUA e Canadá sobre a extradição da diretora financeira da Huawei.

O índice Dow Jones descia 0,68% para 24.537,88 pontos

JUSTIN LANE/EPA

A bolsa de Nova Iorque negociava esta terça-feira em terreno negativo, pressionada por previsões mais pessimistas quanto ao crescimento global e quando se agrava a tensão entre China, Estados Unidos e Canadá sobre a extradição da diretora financeira da Huawei.

Às 14h52 (hora de Lisboa), o índice Dow Jones descia 0,68% para 24.537,88 pontos e o Nasdaq, dominado pelo setor tecnológico, baixava 1,12% para 7.077,09 pontos. O índice alargado S&P 500 perdia 0,63% para 2.653,92 pontos.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou na segunda-feira que reviu em baixa as previsões de crescimento da economia mundial para 3,5% em 2019 e 3,6% em 2020.

No plano diplomático, Pequim instou esta terça-feira Washington a não apresentar às autoridades canadianas um pedido de extradição da diretora financeira da empresa tecnológica chinesa Huawei, Meng Wanzhou, que permanece no Canadá depois de ter sido detida e libertada sob fiança.

“Exortamos o Canadá a libertá-la de imediato e a salvaguardar os seus direitos e interesses legítimos e os Estados Unidos a cancelarem a ordem de detenção e absterem-se de qualquer pedido formal de extradição ao Canadá”, disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

Segundo a imprensa canadiana, o embaixador norte-americano em Otava revelou a intenção de Washington de solicitar formalmente a extradição de Meng, um procedimento que pode ser feito até 30 de janeiro. Meng foi detida em Vancouver, no passado dia 1 de dezembro, a pedido dos Estados Unidos, por suspeita de o grupo de telecomunicações chinês ter exportado produtos de origem norte-americana para o Irão, violando as sanções impostas por Washington.

A data limite de 30 de janeiro coincide com as datas da próxima ronda de negociações comerciais entre Estados Unidos e China. Na segunda-feira, a bolsa nova-iorquina esteve encerrada por ser feriado nos Estados Unidos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)