Funchal

Câmara do Funchal desfralda bandeira da Venezuela em protesto contra Maduro

485

Paulo Cafôfo desfraldou a bandeira da Venezuela na varanda da Câmara Municipal do Funchal. Promotor de manifestação contra Maduro acusa autarquia de "palhaçada".

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

A Câmara Municipal de Funchal (CMF) desfraldou, esta quarta-feira à tarde, a bandeira da Venezuela em protesto contra o governo de Nicolás Maduro, escreve o Diário de Notícias da Madeira. Paulo Cafôfo, atual presidente da autarquia, apareceu na varanda da CMF e hasteou a bandeira venezuelana com a mensagem “Libertad”. O momento aconteceu na sequência de uma manifestação contra Maduro que ocupou a Praça do Município no dia em que Juan Guaidó proclamou-se presidente interino da Venezuela — Donald Trump já o reconheceu como tal.

Ao lado de Paulo Cafôfo, no momento em que a bandeira foi hasteada, estava o vereador João Pedro Vieira, também ele eleito pela Coligação Confiança.

Apesar da bandeira ter sido desfraldada na varanda da Câmara Municipal do Funchal, Carlos Fernandes, lusodescendente que viabilizou a manifestação desta quarta-feira, disse ao JM Madeira que a autarquia foi responsável por alguns entraves à respetiva manifestação: “Não houve muita vontade da parte deles para nos darem uma autorização para fazermos a manifestação e depois sai-se com esta”. “Uma pessoa que mente desta maneira tão descarada e que nunca se preocupou com os madeirenses na Venezuela, acho que é muito mau fazer um espetáculo destes, é uma palhaçada”, acrescentou.

A manifestação desta tarde arrancou pelas 14h e chegou a juntar cerca de 450 pessoas, entre luso-descendentes e venezuelanos. Pelas 17h começou uma missa na Igreja do Colégio, também ela de índole venezuelano.

[Vídeo: Vários mortos no dia em que as ruas entraram em convulsão]

Artigo atualizado às 22h47 com declarações do promotor da manifestação ao jornal JM Madeira.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)