Rádio Observador

Facebook

Apple expulsa apps e cria problemas para o Facebook

O Facebook pagava a utilizadores para ter dados de como utilizavam o iPhone. Como ia contra a regras da Apple, foi banido do programa para empresas, criando problemas nos trabalhos da rede social.

O Facebook (empresa) pagava 20 dólares para ter acesso a dados uso de jovens no iOS

Getty Images

O Facebook criou uma aplicação para sistemas operativos iOS — o dos iPhone e iPad — que permitia, em troca de 20 dólares, que utilizadores entre 13 a 35 anos cedessem os próprios dados de utilização nos dispositivos. Tudo era feito devido ao programa Enterprise, da Apple, que concede permissões especiais a empresas para testarem programas. Há uma condição: é apenas para uso interno das empresas. Ou seja, não vale fazer o que o Facebook fez. Por isso, a Apple baniu o Facebook do Enterprise e afetou todos os serviços da empresa com o iOS, criando inúmeras complicações para os funcionários da rede social, avança o Business Insider (acesso condicionado).

“Isto é, provavelmente, uma das piores coisas que podia acontecer à empresa internamente”, disse um dos funcionários do Facebook ao mesmo meio. Há outros empregados da empresa a afirmar que “há teorias da conspiração” a serem faladas cada vez mais. “A Apple odeia o Facebook e isto é a maneira deles de acabar com a empresa”, afirmam outros funcionários.

Pode parecer pouco, mas, ao banir o Facebook do programa Enterprise, a Apple condicionou muito o trabalho da empresa. Como o programa permite que se instale versões de testes de software em dispositivos iOS sem ser preciso utilizar a App Store, era utilizado pelos funcionários para aplicações internas que não estão disponíveis publicamente, como serviço de informação interna ou de transporte.

Outros funcionários parecem revoltar-se contra a empresa, ao afirmar que devia ter cumprido as regras da Apple e não tentar dar a volta com apps como a Research (a app em questão que foi utilizada para se obter dados de utilizadores em dispositivos iOS).

Num comunicado interno, o Facebook diz aos funcionários para instalarem as versões públicas das aplicações afetadas dos funcionários como o Workplace, Workplace Chat, Instagram, Messenger e Facebook. A empresa afirma que o que fez com a Research App foi sem ser em segredo e que teve o consentimento dos utilizadores. Ainda não se sabe se a o Facebook vai voltar a poder fazer parte do programa Enterprise, mas a empresa afirma que está a trabalhar “de perto” com a Apple.

A disputa entre Tim Cook, presidente executivo da Apple, e Mark Zuckerberg, fundador e atual líder do Facebook, não é recente. A Apple tem, indiretamente, atacado a rede social por utilizar dados pessoais como “uma arma”. O Facebook defendeu-se e diz que é “popular” atacar a rede social. À semelhança do Facebook, a Google também tem uma app que viola as regras do programa Enterprise, mas não houve nenhuma punição como com o Facebook.

Estas notícias surgem numa altura em que foi revelado que há um bug no Facetime, a aplicação de videochamadas do iOS, que permitia ouvir sem consentimento o microfone de qualquer iPhone através de uma chamada. Esta quarta-feira também é um dia importante para o Facebook: enquanto que a Apple divulgou que está a vender menos iPhone nos resultados trimestrais, o Faceboook revela que aumentou as receitas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)