Facebook

Apple expulsa apps e cria problemas para o Facebook

O Facebook pagava a utilizadores para ter dados de como utilizavam o iPhone. Como ia contra a regras da Apple, foi banido do programa para empresas, criando problemas nos trabalhos da rede social.

O Facebook (empresa) pagava 20 dólares para ter acesso a dados uso de jovens no iOS

Getty Images

O Facebook criou uma aplicação para sistemas operativos iOS — o dos iPhone e iPad — que permitia, em troca de 20 dólares, que utilizadores entre 13 a 35 anos cedessem os próprios dados de utilização nos dispositivos. Tudo era feito devido ao programa Enterprise, da Apple, que concede permissões especiais a empresas para testarem programas. Há uma condição: é apenas para uso interno das empresas. Ou seja, não vale fazer o que o Facebook fez. Por isso, a Apple baniu o Facebook do Enterprise e afetou todos os serviços da empresa com o iOS, criando inúmeras complicações para os funcionários da rede social, avança o Business Insider (acesso condicionado).

“Isto é, provavelmente, uma das piores coisas que podia acontecer à empresa internamente”, disse um dos funcionários do Facebook ao mesmo meio. Há outros empregados da empresa a afirmar que “há teorias da conspiração” a serem faladas cada vez mais. “A Apple odeia o Facebook e isto é a maneira deles de acabar com a empresa”, afirmam outros funcionários.

Pode parecer pouco, mas, ao banir o Facebook do programa Enterprise, a Apple condicionou muito o trabalho da empresa. Como o programa permite que se instale versões de testes de software em dispositivos iOS sem ser preciso utilizar a App Store, era utilizado pelos funcionários para aplicações internas que não estão disponíveis publicamente, como serviço de informação interna ou de transporte.

Outros funcionários parecem revoltar-se contra a empresa, ao afirmar que devia ter cumprido as regras da Apple e não tentar dar a volta com apps como a Research (a app em questão que foi utilizada para se obter dados de utilizadores em dispositivos iOS).

Num comunicado interno, o Facebook diz aos funcionários para instalarem as versões públicas das aplicações afetadas dos funcionários como o Workplace, Workplace Chat, Instagram, Messenger e Facebook. A empresa afirma que o que fez com a Research App foi sem ser em segredo e que teve o consentimento dos utilizadores. Ainda não se sabe se a o Facebook vai voltar a poder fazer parte do programa Enterprise, mas a empresa afirma que está a trabalhar “de perto” com a Apple.

A disputa entre Tim Cook, presidente executivo da Apple, e Mark Zuckerberg, fundador e atual líder do Facebook, não é recente. A Apple tem, indiretamente, atacado a rede social por utilizar dados pessoais como “uma arma”. O Facebook defendeu-se e diz que é “popular” atacar a rede social. À semelhança do Facebook, a Google também tem uma app que viola as regras do programa Enterprise, mas não houve nenhuma punição como com o Facebook.

Estas notícias surgem numa altura em que foi revelado que há um bug no Facetime, a aplicação de videochamadas do iOS, que permitia ouvir sem consentimento o microfone de qualquer iPhone através de uma chamada. Esta quarta-feira também é um dia importante para o Facebook: enquanto que a Apple divulgou que está a vender menos iPhone nos resultados trimestrais, o Faceboook revela que aumentou as receitas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Inovação

Os Pilares da Digitalização

João Epifânio

Pilar fundamental para o desenvolvimento da economia digital é a capacidade de incluir todos os cidadãos e empresas garantindo condições de igualdade de acesso à informação e a redução da infoexclusão

Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)