Rádio Observador

RTP

O que têm em comum Conan Osiris, Isaura ou David Fonseca? Vão estar ao vivo no novo “Elétrico” da RTP

A estreia está marcada para abril e o objetivo é pôr músicos portugueses a tocar na TV. Em parceria com a Antena 3, o primeiro canal vai também levar para os ecrãs dois programas de Fernando Alvim.

Conan Osiris, Isaura e David Fonseca são apenas três dos muitos nomes já confirmados

Autor
  • Bruno Horta
Mais sobre

Henrique Amaro, nome histórico da rádio portuguesa, tinha duas certezas. Primeira: “Não é habitual vermos música ao vivo na televisão portuguesa, nunca foi”. Segunda: “Fazia falta um programa agradável, que procurasse um diálogo entre bandas.” E assim nasceu a nova proposta da RTP1. “Elétrico”, com autoria e curadoria de Henrique Amaro e realização de André Tentúgal, é um programa semanal de música portuguesa, ao vivo, gravado no Teatro Capitólio, em Lisboa. Não há data precisa de arranque, mas a estreia está anunciada para abril.

Foi esta uma das novidades da RTP1 divulgadas à imprensa na terça-feira à tarde, precisamente no Capitólio. Além de “Elétrico”, em parceria com a estação pública de rádio Antena 3, onde Henrique Amaro divulga música portuguesa há mais de duas décadas, há dois programas radiofónicos de Fernando Alvim que vão saltar para o pequeno ecrã: o talk show “Prova Oral” (com estreia na terça, dia 12) e o top semanal “A3.30” (que se estreou no dia 3).

Ao Observador, o diretor da Antena 3, Nuno Reis, explicou que a RTP1 “quer agarrar outros públicos e audiências que muitas vezes lhe escapam, sobretudo  na área da música portuguesa” e a Antena 3 “é um dos veículos para lá chegar”. “Temos feito um trabalho de aproximação à imagem desde há três ou quatro anos, com algumas experiências na RTP2, nomeadamente o programa ‘No Ar’. As novidades que agora apresentamos permitem-nos continuar a expandir esse raio de ação”, acrescentou.

“Não é um duelo, é um diálogo”

“Elétrico” terá uma primeira série de 12 episódios, cada qual com 60 minutos de duração. As bandas convidadas já foram escolhidas, tarefa partilhada por Henrique Amaro, Nuno Reis e Luís Oliveira (editor de música da Antena 3 e apresentador do programa da manhã, ao lado de Ana Markl e Inês Lopes Gonçalves). A nomes bem conhecidos – Márcia, Sara Tavares, David Fonseca, B Fachada, Sam the Kid, The Parkinsons ou Dead Combo – juntam-se bandas ou intérpretes em ascensão – Conan Osiris, Isaura, Dino D’Santiago, Joana Espadinha, Stereossauro, Selma Uamusse ou Luís Severo.

Um programa focado na lusofonia, mais do que na música portuguesa? “Não propriamente, é apenas a música do Portugal contemporâneo”, respondeu Henrique Amaro.

Não vamos buscar ninguém diretamente ao Rio de Janeiro ou a Maputo. São pessoas que nasceram lá, eu por acaso também nasci em Maputo, mas que convivem e fazem música em Portugal. A maneira como hoje se pensa um festival ou um programa de música tem de ter em conta o país em que vivemos”, explicou o radialista. “O país hoje tem esta lusofonia imediata, que se cruza connosco na rua e não precisa de apanhar um avião.”

As gravações começam em breve e serão feitas em três momentos de quatro dias, ou seja, ao longo de 12 noites. Em cada programa, atuam duas bandas e cada qual interpretará cinco temas. Os ouvintes da Antena 3, os espectadores da RTP e os seguidores dos artistas nas redes sociais serão convidados a juntarem-se no Capitólio nos dias das gravações.

“Elétrico” é uma ideia de Henrique Amaro, radialista e divulgador de música portuguesa

Em “Elétrico” não haverá um apresentador clássico, que interpela as bandas entre cada atuação. Henrique Amaro grava um trecho de abertura e outro de encerramento e pelo meio serão apresentadas “histórias” pré-gravadas, a cargo da também radialista Vanessa Augusto, com curiosidades sobre as bandas.

“Quisemos fugir à lógica de que um programa de música ao vivo possa ser apenas câmaras, uma mesa de som e uma sala. A ideia foi esquecer o palco. As bandas vão atuar de frente uma para a outra, na plateia do Capitólio, sem cadeiras, e o público vai ocupar o espaço físico e movimentar-se da forma que quiser”, detalhou o autor. “Later… With Jools Holland”, programa histórico da BBC com música ao vivo, foi uma das inspirações e o mesmo se diga do conhecido “Taratata”, da televisão pública francesa, duas referências para Henrique Amaro.

[Iggy Pop em 2016 no “Later… With Jools Holland”]

Não é um programa que procure ruturas, procura o complemento entre os artistas, mesmo que quem está frente a frente não tenha uma afinidade direta. Não há uma competição entre as duas bandas que se apresentam em cada programa, não é um duelo, é um diálogo. Cada qual mostrará o seu trabalho e alguns de certeza que vão fazer colaborações ao vivo”, adiantou Henrique Amaro.

“Um registo mais biográfico”

Quanto a Fernando Alvim, fará agora a adaptação televisiva de dois programas que já protagoniza na rádio e ambos os formatos se mantêm. A tabela dos 30 temas mais votados pelos ouvintes da Antena 3, o “A3.30”, estreou-se no último domingo à tarde, na RTP1. São óbvias as diferenças. Em lugar de duas horas, tem apenas 60 minutos, e passa meia dúzia de videoclipes, em vez da lista inteira de canções votadas. Os textos humorísticos e as curiosidades musicais permanecem.

Já o “Prova Oral”, famoso programa diário da 3 em que se debatem temas atuais com informalidade, fará a estreia televisiva já na próxima terça-feira à noite, e nesse horário se manterá ao longo de 52 episódios, em ritmo semanal. Terá duas coapresentadoras, Xana Alves e Catarina Moura, que já hoje estão aos microfones. “É o formato radiofónico que já existe há 15 anos, mas agora aliado à imagem”, resumiu Fernando Alvim ao Observador.

Não posso revelar muito, posso dizer que continuará a ser um talk show, mas não em direto. Vamos gravar live on tape e o que se perde por não ser em direto ganha-se com a existência de imagem. Ao contrário do programa de rádio, em que muitas vezes temos um tema central, o programa de televisão estará mais centrado em dois convidados semanais. Talvez seja um registo mais biográfico”, explicou Fernando Alvim.

Fernando Alvim apresenta “Prova Oral” desde há 15 anos

Continuará a interação com a audiência, que intervém com perguntas e comentários, enviadas por Whatsapp, por exemplo. “Não teremos espectadores em estúdio, mas eles entram por via digital. Não é bem como o José Eduardo Moniz faz agora na TVI, até porque dará menos bronca”, ironizou o apresentador, segundo o qual era antiga a ideia de transitar para a TV. “Agora, sim, estamos maduros o suficiente para dar este passo”, sublinhou.

Sobre se a migração dos programas da rádio para a TV pode canibalizar audiências e afastar ouvintes da 3, Nuno Reis respondeu que “não há choque”. “Acho que as coisas se complementam e no caso da RTP1 vai ser possível apanhar uma fatia de público que pode estar um pouco afastada”, disse, referindo-se a um público considerado jovem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)