Enfermeiros

Marcelo. “Boa notícia” que enfermeiros cumpram serviços mínimos

169

Marcelo Rebelo de Sousa manifestou-se satisfeito com o cumprimento dos serviços mínimos pelos enfermeiros durante a greve e o posicionamento de todas as partes a favor dos direitos à vida e saúde.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou-se satisfeito com o cumprimento dos serviços mínimos pelos enfermeiros durante a greve, na sexta-feira, e o posicionamento de todas as partes a favor dos direitos à vida e à saúde.

“Acho uma boa notícia o respeito pelos serviços mínimos, ontem [sexta-feira], acho uma boa notícia haver aqui uma preocupação de todos pelos doentes e pelos seus direitos, nomeadamente o direito à vida e o direito à saúde, e por outro lado espero – e todos devemos esperar, respeitando o papel de um órgão de soberania, que são os tribunais – a decisão judicial relativamente à intimação que foi anunciada”, respondeu o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa fez esta declaração aos jornalistas em Albufeira, após participar na sessão de encerramento do XIII Congresso Nacional das Misericórdias, e disse serem estas as únicas palavras que deveria proferias de momento sobre o conflito laboral entre Governo e enfermeiros, depois de o executivo socialista liderado por António Costa ter recorrido à requisição civil durante a greve decretada pelos enfermeiros.

Sobre a sua intervenção no Congresso das Misericórdias, o Presidente da República destacou o papel destas instituições ao longo de cinco séculos em Portugal e considerou necessário haver um reconhecimento legal do trabalho que prestam ao nível da saúde, sobretudo junto da população idosa, que será cada vez maior e mais envelhecida no futuro, devido às tendências demográficas, e precisará de mais cuidados continuados.

“No fundo, quando fiz a referência ao papel das misericórdias na solidariedade social, mas especificamente na saúde, estava a pensar obviamente também na lei de bases da saúde. E aí tenho esperança, como disse há três dias ou quatro, que seja possível no articulado da [nova] lei [de Bases da Saúde], encontrar uma solução que permita acolher os vários setores, cooperando entre si e reconhecendo o que cada um deles tem a contribuir”, afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que, num país envelhecido, como o que os especialistas em demografia perspetivam, “vai ser preciso ter condições de acolhimento de uma população idosa cada vez mais numerosa, em que os hospitais públicos não devem servir para isso, porque têm outras prioridades, o setor privado não vai servir para isso, na grande maioria dos casos, e o setor social, também aí, é insubstituível”.

O Presidente da República falou ainda na importância para a democracia de este setor da economia social se ter organizado na Confederação Portuguesa da Economia Social e passar a ter representação no Conselho Económico Social.

“Espero que seja acolhida no Conselho Social e que seja possível que venha obter um estatuto de parceiro e interlocutor social importante, porque isso pode ser útil e significativo para o diálogo, o pluralismo e a participação numa sociedade democrática, progressista e avançada como é aquela que nós queremos e que está na Constituição”, referiu.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura
946

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)