Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Andrew G. McCabe, antigo número dois da direção do FBI, admitiu que esteve em cima da mesa a hipótese de invocar a 25.ª Emenda da lei norte-americana para destituir Donald Trump, diz o New York Times. Numa entrevista dada ao programa “60 minutos”, que será emitida no próximo domingo, Andrew G. McCabe explicou que essa possibilidade foi estudada depois de o presidente norte-americano ter despedido James B. Comey, diretor da polícia federal norte-americana.

Além disso, Andrew G. McCabe ordenou que a investigação do FBI a uma possível interferência russa nas eleições presidenciais dos Estados Unidos fosse estendida, de modo a perceber se o despedimento de James B. Comey em maio de 2017 constituía uma obstrução à justiça. Andrew G. McCabe confirmou também Rod J. Rosenstein, vice-procurador-geral, sugeriu usar um microfone em reuniões com Trump.

No livro “The Threat: How the F.B.I. Protects America in the Age of Terror and Trump” — em português, “A Ameaça: Como o FBI Protege a América na Era do Terror e de Trump” — Andrew G. McCabe diz que falou com Donald Trump no dia seguinte ao despedimento de James B. Comey e que foi na sequência dessa conversa que reuniu com os responsáveis pela investigação sobre o envolvimento russo na eleição de Trump para a presidência norte-americana.

Donald Trump já foi ao Twitter comentar as declarações de Andrew G. McCabe: “O desgraçado do diretor Andrew McCabe finge ser um pobre pequeno anjo quando na verdade foi uma grande parte do escândalo Crooked Hillary e do embuste da Rússia. Uma marionete de James Comey. O relatório sobre Andrew McCabe foi devastador”. E denuncia: “A mulher do McCabe recebeu um bom dinheiro das pessoas da Clinton para a campanha dela”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR