Caixa Geral de Depósitos

Caixa Geral de Depósitos cumpre “com margem significativa” requisitos de capital de BCE

O banco público divulgou, através de comunicado à CMVM os rácios de capital exigidos pelo Banco Central Europeu a partir de 1 de março de 2019 e afirmou que os já cumpria desde final de 2018.

Os rácios de capital são indicadores de solvabilidade de um banco, sendo contabilizados em função dos ativos ponderados pelo risco

MÁRIO CRUZ/LUSA

A Caixa Geral de Depósitos disse esta terça-feira que já cumpria “com margem significativa” em final de 2018 os requisitos de capital exigidos pelo Banco Central Europeu (BCE) a partir de 1 de março de 2019, segundo informação ao mercado.

O banco público divulgou, através de comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os rácios de capital exigidos pelo Banco Central Europeu a partir de 1 de março de 2019.

Segundo a Caixa Geral de Depósitos (CGD), a partir de 01 de março Frankfurt exige que tenha, pelas regras do período de transição, rácio CET1 de 9,75%, rácio T1 de 11,25% e rácio total de 13,25%.

A CGD divulga ainda os rácios que tinha em 31 de dezembro de 2018 nestes indicadores (14,7%, 15,7% e 17,1%, respetivamente), o que significa que já cumpria no ano passado os rácios pedidos pelo BCE para este ano.

Já com as regras completamente implementadas, o BCE pede que a CGD apresente de rácios 10,25% em CET1, 11,75% em T1 e 13,75% em rácio total, sendo que também neste caso a CGD já cumpria em 31 de dezembro passado (14,7%, 15,7% e 17%, respetivamente).

Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, refer a CGD no comunicado ao mercado.

Os rácios de capital são indicadores de solvabilidade de um banco, sendo contabilizados em função dos ativos ponderados pelo risco.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)