Abusos na Igreja

Abusos sexuais. Papa Francisco quer que os bispos façam mais do que “simples e óbvias condenações”

203

O Papa pediu aos bispos de todo o mundo "medidas concretas e eficazes" contra os abusos. E o cardeal Luis Tagle frisou que "a falta de resposta ao sofrimento das vítimas deixou uma ferida profunda".

O Papa Francisco convocou a reunião inédita sobre os abusos sexuais em setembro do ano passado

VINCENZO PINTO / POOL/EPA

Enviado especial ao Vaticano

O Papa Francisco disse esta manhã a quase duas centenas de líderes católicos reunidos no Vaticano para debater os abusos sexuais na Igreja que a hierarquia católica tem de ir além das “simples e óbvias condenações” dos crimes, tomando “medidas concretas e eficazes”.

“O santo povo de Deus olha para nós e espera de nós, não simples e óbvias condenações, mas medidas concretas e efetivas”, disse o líder da Igreja Católica no arranque da cimeira inédita que reúne, até domingo, no Vaticano, 190 presidentes das conferências episcopais e outros líderes de estruturas locais da Igreja de todo o mundo.

“Perante a praga dos abusos sexuais perpetrados por homens da Igreja contra menores, pensei em chamar-vos, patriarcas, cardeais, arcebispos, bispos, superiores religiosos e responsáveis, para que, juntos, ouçamos o Espírito Santo e, com a sua orientação, ouçamos o choro dos pequenos que pedem justiça”, disse o Papa Francisco.

O Papa argentino apelou ainda à “criatividade” dos presidentes das conferências episcopais na procura de soluções para melhorar as orientações atualmente existentes na Igreja Católica.

“No nosso encontro, pesa sobre nós o peso da responsabilidade pastoral e eclesial, obrigando-nos a discutir juntos, de uma forma sinodal, sincera e aprofundada, sobre a forma de encarar este mal que aflige a Igreja e a humanidade”, acrescentou o Papa Francisco.

A cimeira de líderes católicos sobre a responsabilidade da Igreja na questão dos abusos sexuais foi convocada pelo Papa Francisco em setembro do ano passado, após um dos anos mais duros para a Igreja Católica no que toca a este problema — sobretudo com os escândalos à volta do cardeal norte-americano Theodore McCarrick e a divulgação dos resultados de investigações nos Estados Unidos.

O cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, está presente na reunião em representação de Portugal. Esta quarta-feira, antes de partir para Roma, Clemente disse em entrevista à Agência Ecclesia que se encontrou com uma vítima de abusos sexuais por parte do clero nos últimos tempos. “Se fomos parte do problema, agora temos de ser parte da solução”, disse D. Manuel Clemente.

“Falta de resposta ao sofrimento das vítimas deixou ferida profunda”, admite cardeal

Durante a manhã do primeiro dia, os líderes católicos ouviram testemunhos em vídeo de cinco vítimas de abusos sexuais: um homem sul-africano, uma mulher africana, um padre da Europa de leste, um homem norte-americano e um homem asiático — cujas identidades o Vaticano não revelou.

Os primeiros discursos foram proferidos pelo cardeal filipino Luis Antonio Tagle e pelo arcebispo maltês Charles Scicluna.

Tagle falou da importância de reconhecer o sofrimento das vítimas. “A nossa falta de resposta ao sofrimento das vítimas, sim, até ao ponto de as rejeitar e de encobrir o escândalo para proteger os abusadores e a instituição, magoou as nossas pessoas, deixando uma ferida profunda na nossa relação com aqueles que fomos enviados para servir”, afirmou o cardeal aos representantes das estruturas da Igreja de todo o mundo.

Já o arcebispo Scicluna, principal investigador do Vaticano para os casos de abuso sexual, fez uma comunicação sobre os procedimentos que devem ser adotados em caso de denúncias de abuso sexual.

“A comunidade de fé que está ao nosso cuidado tem de saber que falamos a sério. Deveriam aproximar-se de nós sabendo que somos amigos da sua segurança e da das crianças e dos jovens. Vamos comprometer-nos com eles, com franqueza e humildade. Vamos protegê-los a todo o custo. Daremos as nossas vidas pelos rebanhos que nos foram confiados”, disse Scicluna.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)