Rádio Observador

Música

Mark Hollis, vocalista dos Talk Talk, morreu aos 64 anos

1.102

Foi cantor, teclista e compositor de uma das bandas com mais êxito dos anos 80. Em 1998, lançou um disco a solo. Considerado "um ícone musical indefinível", morreu esta segunda-feira aos 64 anos.

Entre os vários sucessos da banda de Mark Hollis estão as músicas "It’s My Life", "Life's What You Make It" e "Such a Shame"

Fonte: Youtube

O antigo vocalista da banda de rock Talk Talk, Mark Hollis, morreu esta segunda-feira aos 64 anos, avança o jornal britânico The Guardian, citando fontes próximas do cantor. Cantor, teclista e compositor, fundou a banda nos anos 80, ao lado do baterista Lee Harris e do baixista Paul Webb. Anos mais tarde, em 1998, lançou um álbum a solo. As causas da morte são desconhecidas e não há, para já, confirmação oficial.

“Um marido e pai maravilhosos. Homem fascinante e de princípios. Aposentado da indústria musical há 20 anos, mas um ícone musical indefinível.” Foi desta forma que Anthony Costello, um conhecido pediatra britânico e primo do cantor, deu a notícia do falecimento do vocalista pelo Twitter.

Mas as homenagens não se cingem aos familiares. O baixista Paul Webb manifestou-se “chocado” e “triste” com a notícia, elogiando o percurso artístico do cantor. “Musicalmente ele foi um génio e foi uma honra e privilégio ter integrado uma banda com ele. Já não vejo o Mark há muitos anos, mas grande parte da nossa geração foi profundamente influenciada pelas suas ideias pioneiras. (…). Ele foi um dos grandes, se não o maior.”, escreveu o baterista num post no Instagram. 

A influência do cantor é várias vezes referida por músicos. “Mark Hollis captou-nos com a sua abordagem assombrosa da música e através das maneiras convincentes de apresentar montanhas simplistas de som. Ele era um educador das emoções (…) Esta é uma perda entre muitas”, escreveu a banda Broken Social Scene no Twitter. Além desta publicação, a banda retweetou vários posts de homenagens ao cantor.

Entre os vários sucessos da banda de Mark Hollis estão as músicas  It’s My Life – depois regravada pelos No Doubt – , Life’s What You Make It e Such a Shame. A banda lançou cinco discos entre 1982, dois anos depois da formação, e 1991. A banda desmembrou-se no ano em que lançou o último álbum em conjunto.

Segundo a NME,  Mark Hollis formou primeiramente uma banda chamada The Reaction, mas esta acabou logo após o primeiro single porque não teve sucesso. Foi nessa altura que surgiu Talk Talk, que rapidamente conseguiu um contrato com a EMI, uma famosa produtora musical.

Em 1998, o cantor lançou o seu único álbum a solo num registo diferente: mais voltado para o jazz. Depois disso, decidiu afastar-se do panorama musical por razões familiares. “Eu escolho a minha família. Talvez outros não sejam capazes de o fazer, mas eu não consigo ir numa tour e ser bom pai ao mesmo tempo”, explicou  Mark Hollis, a um meio de comunicação holandês.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)