Portugal caiu um lugar, deixou-se ultrapassar pela Irlanda, e é a 22.ª nação mais saudável do mundo, de acordo com a Bloomberg. A Espanha (vinda do sexto lugar no ranking do ano passado) está no topo da tabela, seguido pela Itália e Islândia. Outros 12 países europeus ficam acima de Portugal: Suíça, Suécia, Noruega, Luxemburgo, França, Áustria, Finlândia, Países Baixos, Nova Zelândia, Reino Unido, Irlanda e Chipre.

O sucesso de Itália e Espanha é explicado pela Universidade de Navarra como uma consequência da dieta mediterrânica, que implica, tendencialmente, “uma taxa mais baixa de doenças cardiovasculares” em relação até a dietas com gordura reduzida.

Para além dos hábitos alimentares, importa para o ranking a esperança média de vida e a taxa de mortalidade infantil dos países. O Japão tem a maior esperança média de vida do mundo, com cerca de 84 anos. A Universidade de Washington espera que Espanha ultrapasse o país em 2040, atingindo uma esperança média de vida de 86 anos. Em Portugal, uma criança nascida em 2019 pode esperar viver até aos 81 anos, em média.

A evolução de Espanha ao longo dos próximos anos está associada a uma melhoria nos cuidados de saúde primários, retratada pelo Observatório Europeu dos Sistemas e Políticas de Saúde. No estudo é destacada a importância da prestação de cuidados preventivos e paliativos a crianças, mulheres e pacientes idosos, grupos particularmente vulneráveis. O Sistema Nacional de Saúde português foi avaliado pelo Euro Health Consumer Index como o 13.º melhor da Europa, entre os 35 serviços analisados.

A Europa, de resto, domina o ranking. No top 10 há seis países europeus — só Japão (4.º), Austrália (7.º), Singapura (8.º) e Israel (10.º) se intrometem. No outro extremo da tabela, 27 dos 30 países menos saudáveis do mundo são da Africa Subsaariana — os três que sobram são o Haiti, o Afeganistão e o Íemen. O país mais saudável da zona é a Mauritânia, em 74.º lugar.

Países como a Alemanha (23.º), a Bélgica (28.º), os Estados Unidos da América (35.º) ou a China (52.º) ficaram pior classificados do que Portugal. Os países com maior taxa de riquesa tendem a possuir uma população mais saudável, mas a relação não é absolutamente linear. Cuba, por exemplo, um país com riqueza média-alta para o Banco Mundial, está em 30.º lugar, acima dos EUA, um dos países mais ricos do mundo. O foco na prevenção é indicado pela Ordem dos Médicos dos EUA como uma justificação para o sucesso cubano.