Rádio Observador

Saúde

Portugal é o 22.º país mais saudável do mundo, num ranking em que Espanha é campeã

203

O ranking anual da Bloomberg coloca Potugal no lugar 22 das 169 nações analisadas. Espanha e Itália são os países mais saudáveis do mundo. Os alemães e os norte-americanos estão atrás dos portugueses.

Os hábitos alimentares sã uma das principais influências no ranking

Christopher Furlong/Getty Images

Portugal caiu um lugar, deixou-se ultrapassar pela Irlanda, e é a 22.ª nação mais saudável do mundo, de acordo com a Bloomberg. A Espanha (vinda do sexto lugar no ranking do ano passado) está no topo da tabela, seguido pela Itália e Islândia. Outros 12 países europeus ficam acima de Portugal: Suíça, Suécia, Noruega, Luxemburgo, França, Áustria, Finlândia, Países Baixos, Nova Zelândia, Reino Unido, Irlanda e Chipre.

O sucesso de Itália e Espanha é explicado pela Universidade de Navarra como uma consequência da dieta mediterrânica, que implica, tendencialmente, “uma taxa mais baixa de doenças cardiovasculares” em relação até a dietas com gordura reduzida.

Para além dos hábitos alimentares, importa para o ranking a esperança média de vida e a taxa de mortalidade infantil dos países. O Japão tem a maior esperança média de vida do mundo, com cerca de 84 anos. A Universidade de Washington espera que Espanha ultrapasse o país em 2040, atingindo uma esperança média de vida de 86 anos. Em Portugal, uma criança nascida em 2019 pode esperar viver até aos 81 anos, em média.

A evolução de Espanha ao longo dos próximos anos está associada a uma melhoria nos cuidados de saúde primários, retratada pelo Observatório Europeu dos Sistemas e Políticas de Saúde. No estudo é destacada a importância da prestação de cuidados preventivos e paliativos a crianças, mulheres e pacientes idosos, grupos particularmente vulneráveis. O Sistema Nacional de Saúde português foi avaliado pelo Euro Health Consumer Index como o 13.º melhor da Europa, entre os 35 serviços analisados.

A Europa, de resto, domina o ranking. No top 10 há seis países europeus — só Japão (4.º), Austrália (7.º), Singapura (8.º) e Israel (10.º) se intrometem. No outro extremo da tabela, 27 dos 30 países menos saudáveis do mundo são da Africa Subsaariana — os três que sobram são o Haiti, o Afeganistão e o Íemen. O país mais saudável da zona é a Mauritânia, em 74.º lugar.

Países como a Alemanha (23.º), a Bélgica (28.º), os Estados Unidos da América (35.º) ou a China (52.º) ficaram pior classificados do que Portugal. Os países com maior taxa de riquesa tendem a possuir uma população mais saudável, mas a relação não é absolutamente linear. Cuba, por exemplo, um país com riqueza média-alta para o Banco Mundial, está em 30.º lugar, acima dos EUA, um dos países mais ricos do mundo. O foco na prevenção é indicado pela Ordem dos Médicos dos EUA como uma justificação para o sucesso cubano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
2.467

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)