Rádio Observador

Morgan

Morgan em grande. Estreia plataforma e motor BMW

Genebra marcou uma mudança na vida da Morgan. Além de acolher um novo accionista maioritário, revelou o Plus Six, modelo que estreia chassi e mecânica, respeitando, contudo, a construção artesanal.

No Salão de Genebra, nem só de veículos vive a Morgan, uma das marcas britânicas mais carismáticas, aliando espírito desportivo, aspecto rétro e uma produção integralmente realizada à mão. Fabricando em média 700 veículos por ano, o construtor britânico gerou em 2018 uma receita de 39,4 milhões de libras, um valor que chamou a atenção do fundo de investimento italiano Investindustrial, que adquiriu a maioria do capital da empresa, permitindo contudo que a família Morgan continue a representar a empresa que criou em 1910. E não é a primeira vez que este investidor se aventura no universo dos veículos, tendo realizado uma excelente operação na Ducati, quando vendeu a sua quota à Audi por 1,1 mil milhões de euros – praticamente o mesmo valor que investiu na compra de 37,5% da Aston Martin.

Além de “mostrar” o novo dono, a Morgan revelou o seu novo modelo, o primeiro concebido integralmente de raiz em muitos anos. Denominado Plus Six, o mais recente produto da marca inglesa assume-se como um elegante roadster, com uma frente longa e um habitáculo para dois, muito chegado atrás. A estética continua fiel ao que a marca nos tem habituado, com forte tónica no ar rétro, e até o método de construção se manteve inalterado, com o Plus Six a exibir uma plataforma em aço, alumínio e madeira. É mesmo o único veículo moderno a recorrer a esta solução em alguns pontos do chassi, segundo o fabricante, “com muito prazer e orgulho” em utilizar uma matéria tão tradicional e old school, pelo menos em termos de indústria automóvel.

Se o chassi é novo, o motor não lhe fica atrás, com a Morgan a recorrer à BMW para o conjunto motor/caixa de velocidades. Montando a mesma unidade motriz de seis cilindros em linha que a BMW fornece igualmente à Toyota, para o novo Supra, o Morgan Plus Six passa a usufruir dos serviços de um motor mais pequeno e mais leve, mas não menos pojante, do que o clássico V8 montado no Plus 8. Com 3,0 litros de cilindrada e soprado por dois turbocompressores, o motor do Morgan Plus Six fornece 340 cv e 500 Nm de binário, força que supera a que o V8 conseguia garantir.

A potência do novo Morgan é transmitida às rodas traseiras através de uma caixa automática de oito velocidades, desenvolvida pela ZF – estando a ser preparada uma caixa manual –, o que face ao reduzido peso do modelo (apenas 1.075 kg), permite acelerações verdadeiramente emocionantes, a começar pelos 4,2 segundos que o Plus Six necessita para ir de 0 a 100 km/h. A velocidade máxima está nos 267 km/h.

O novo modelo irá chegar em breve a Portugal, com um preço que promete ser uma agradável surpresa face ao Plus 8, com potência similar e capacidade de aceleração inferior, pois fica-se pelos 4,5 segundos de 0-100 km/h. Contudo, os melhores consumos do Plus Six (7,4 l/100 km) e as suas inferiores emissões de CO2 (cerca de 170g/km contra 282g do Plus 8) justificam a enorme vantagem em termos de preço, antecipando o importador para o nosso país um valor na casa dos 90.000€, longe pois dos 150.000€ do Plus 8.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)