Finanças

Standard & Poor’s sobe rating de Portugal para dois níveis acima do lixo

322

A S&P passa assim a ter a mesma avaliação para a dívida soberana portuguesa que a Fitch e a DBRS, que também avaliam a dívida pública portuguesa em 'BBB' com perspetiva estável.

JUSTIN LANE/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A agência de notação financeira Standard & Poor’s (S&P) subiu esta sexta-feira o rating de Portugal de “BBB-” para “BBB”, dois níveis acima do grau de investimento especulativo, com perspetiva estável. “Esperamos que a economia portuguesa tenha um crescimento equilibrado entre 1,5% e 1,7% durante 2019-2021”, indica a S&P no comunicado hoje divulgado.

A S&P passa assim a ter a mesma avaliação para a dívida soberana portuguesa que a Fitch e a DBRS, que também avaliam a dívida pública portuguesa em “BBB” com perspetiva estável.

Portugal poupou 1.270 milhões de euros em juros com subidas de rating em 18 meses, diz Centeno

O ministro das Finanças disse esta sexta-feira à Lusa que o Estado poupou 1.270 milhões de euros com as emissões de dívida desde setembro de 2017, altura em que Portugal voltou a ter uma notação de investimento.

Em declarações à Lusa, a propósito da subida do rating de Portugal pela Standard & Poors (S&P), Mário Centeno afirmou ainda que esta melhoria hoje “reflete o reconhecimento de transformações estruturais na economia e terá impacto direto nos custos de financiamento das famílias, empresas e Estado”. “Trata-se de uma decisão que contribui para reforçar a confiança dos investidores e a credibilidade externa de Portugal, com impacto direto nos custos de financiamento das famílias das empresas e do Estado”, acrescentou o ministro das Finanças.

Mário Centeno recordou que em 15 de setembro de 2017, há 18 meses, a S&P foi a primeira das principais agências de rating a colocar a dívida portuguesa de novo com a notação de investimento.

Foi um sinal positivo e ao mesmo tempo muito claro do retorno à normalidade do financiamento da República Portuguesa”, disse o ministro, adiantando que, desde essa altura, “Portugal emitiu 23.420 milhões de euros em dívida nas diferentes maturidades”

“E dado este reconhecimento e o percurso que fizemos nos mercados financeiros, pagámos menos 1.270 milhões de euros em juros apenas nestas emissões”, adiantou o ministro. “São poupanças que o Estado tem com o seu financiamento que apenas foram conseguidas pelo resultado das políticas económicas que temos seguido e pelo investimento feito em Portugal ao longo destes anos pelas empresas e pelas famílias”, argumentou.

Em declarações à Lusa, Mário Centeno adiantou também que é preciso continuar o trabalho feito “em prol das novas gerações” e frisou que é importante a concentração da redução da dívida pública. “Portugal hoje é de novo reconhecido pela Standard & Poor’s. Devemos continuar este trabalho em prol das novas gerações. Aquilo em que é mais importante concentrar-nos, em termos de resultados para Portugal hoje, é a redução da dívida, que continua elevada”, assumiu o governante.

Sobre o impacto que esta melhoria do rating terá para Portugal, Mário Centeno frisou que “o financiamento que as empresas têm, o crédito que as famílias podem aceder, beneficia desta redução das taxas”. “Significa que o rendimento disponível aumenta e que podemos todos em conjunto aumentar o investimento na nossa formação, nas nossas empresas. E o Estado com certeza beneficia porque os 1.200 milhões de euros que pagámos a menos em juros nas emissões desde setembro de 2017 beneficiam o Orçamento do Estado no que é o aumento da despesa em saúde, em educação, nos transportes”, disse o ministro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crédito

Crédito ao consumo: um novo quadro regulatório

António Menezes Rodrigues

Os valores de crédito concedido não são, em si mesmos, preocupantes. E sabemos que há momentos em que a concessão de crédito até pode servir como alavanca de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)