Rádio Observador

Artes Visuais

Suspensão do festival Jardins Efémeros. Câmara de Viseu aponta falhas ao Ministério da Cultura

Vereador Jorge Sobrado diz que falta de concurso da Direção-Geral das Artes foi um dos fatores que levaram à pausa no Jardins Efémeros. Diretora do evento subscreve, mas queixa-se também da Câmara.

Lula Pena atuou na edição de 2016 do Jardins Efémeros

RAFA ALCAIDE/EPA

Autor
  • Bruno Horta

O vereador da cultura da Câmara de Viseu disse nesta quinta-feira que a Direção-Geral das Artes, tutelada pelo Ministério da Cultura, é uma das responsáveis pela interrupção forçada do festival anual Jardins Efémeros. No entanto, Jorge Sobrado não quis abrir polémicas e acrescentou que “a centralização da despesa pública não tem sido seguida apenas pelo atual governo”.

A nona edição do Jardins Efémeros, prevista para julho, não poderá realizar-se por falta de financiamento, soube-se na quinta-feira. “Este projeto carece de uma pausa para reflexão”, informou a diretora, Sandra Oliveira, em nota conjunta com a Câmara de Viseu. Parte da nota foi também divulgada através do Facebook, em português e inglês.

O AMOR PREVALECERÁ SOBRE A DOR. É com sentida tristeza que comunicamos a todos, principalmente aos Viseenses, que este…

Posted by Sandra Oliveira on Thursday, March 21, 2019

O festival vinha sendo promovido pela associação cultural Pausa Possível e ao longo de oito anos levou artes visuais, arte urbana, arquitetura, música eletrónica, teatro e cinema experimental a várias ruas e monumentos viseenses, incluindo o Museu Nacional Grão Vasco e a Sé de Viseu. Os artistas Miguel Januário (±MaisMenos±) e Alexandre Farto (Vhils) marcaram presença no Jardins Efémeros, assim como Lula Pena, Evan Parker, Efterklang, Fernanda Fragateiro, Gabriela Albergaria, Nuno Cera, André Cepeda e vários artistas locais emergentes.

Ao Observador, Jorge Sobrado disse estar “dececionado e frustrado porque a DGArtes, tendo aberto em 2017 um concurso de apoios pontuais que permitiu ajudar o festival, abriu esse mesmo concurso muito tarde em 2018 e este ano não o fez até agora”. Dados publicados pela DGArtes mostram que aquele apoio de 2017 teve um montante de 30 mil euros.

“É muito importante para a coesão territorial que o financiamento seja mais robusto fora de Lisboa e do Porto”, acrescentou o vereador, que faz parte de um executivo de maioria PSD. Questionado sobre se tenciona queixar-se diretamente ao Ministério da Cultura ou à DGArtes, sugeriu que não, dizendo que “a crítica não é só a este governo, mas a sucessivos governos”. Reafirmou que “os municípios não devem estar sozinhos na política de democratização da cultura e o estado central não se pode demitir disso.”

Segundo Jorge Sobrado, o festival Jardins Efémeros foi apoiado pelo município em 2017 e 2018 com cerca de 100 mil euros em dinheiro, o que representa entre 60 a 70% do orçamento total do evento. O montante tem origem no programa Viseu Cultura, que dispõe de 800 mil euros e subvenciona hoje 13 eventos culturais na região, além de atividades de criação artística e de animação do património.

Se um evento tiver tido lugar por quatro anos consecutivos, a câmara pode atribuir-lhe financiamento a dois anos, disse o vereador. Mas há uma condição:

O município não interfere na programação, mas também não financia 100%, pede aos promotores que procurem outras fontes que sejam públicas, no caso da DGArtes, ou privadas, através de empresas ou mecenas”, esclareceu o vereador.

Para 2019, a associação que gere o festival Jardins Efémeros não conseguiu outras verbas que não as da Câmara, motivo pelo qual a edição prevista para breve se tornou inviável. “A lógica de financiamento do Viseu Cultura baseia-se no princípio de que os projetos têm multifinanciamento e se comprometem a cativar outras fontes”, sublinhou.

Ouvida pelo Observador, Sandra Oliveira comentou que “a cidade está em choque” com o anúncio do fim do festival, “porque muitas famílias se sentiam profundamente envolvidas” na iniciativa, onde chegaram a participar num só ano cerca de 100 mil pessoas. A diretora corroborou a ideia de que a falta de apoio da DGArtes foi um fator determinante na suspensão, nomeadamente por causa do atraso no concurso de 2018 (que já não permitiu ao Jardins Efémeros candidatar-se) e da ausência de concurso para apoio pontual em 2019 (a informação oficial da DGArtes é de que os concursos serão todos abertos “em março”).

Porém, Sandra Oliveira teceu também críticas à Câmara de Viseu, por esta ter “paulatinamente” reduzido a percentagem de financiamento ao festival. “O vereador, sabendo das fragilidades, poderia ter-nos acompanhado na angariação de outras fontes de financiamento”, defendeu. “Além disso, estamos a concorrer aos apoios da Câmara em pé de igualdade com outros projetos de escalas muito menores e isso não faz sentido.”

De acordo com uma notícia publicada nesta quinta-feira pelo “Jornal do Centro”, o Jardins Efémeros cresceu de edição para edição, desde a primeira, em 2011. “Começou com dois dias e chegou a ter 10 dias de atividades. No último ano, o número diminuiu para cinco e já na altura a organizadora se queixava da dificuldade nos apoios financeiros e na redução que teve no apoio por parte do município de Viseu”. O mesmo jornal deu conta de que a oposição socialista na Câmara está “estupefacta” com o cancelamento do festival.

O festival “tem um lugar muito marcante na cena cultural” de Viseu, classificou o vereador da Cultura. “Tem uma estratégia multidisciplinar e com conteúdos alternativos, o que é diferenciador, e tem conseguido impacto nacional, com a atração de diversos públicos”, acrescentou o mesmo responsável, ressalvando que “existem outros projetos” em Viseu na área da cultura.

No comunicado desta quinta-feira, lê-se que a interrupção é apenas em 2019 e que a programação deverá regressar em 2020. Jorge Segurado disse ao Observador que o município vai abrir, “no primeiro semestre de 2020”, um novo concurso de financiamento e espera que o Jardins Efémeros seja um dos candidatos. Sandra Oliveira afirmou a iniciativa só voltará a ter lugar “se se alterarem as condicionantes dos concursos da DGArtes e do concurso da Câmara”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)